Países estão fazendo pouco para limitar aquecimento--relatório

As emissões de gases causadores do efeito estufa em 2020 podem chegar a nove bilhões de toneladas acima do que é necessário para limitar o aquecimento global, uma vez que alguns países devem deixar de cumprir suas metas de corte, mostrou um relatório feito por três grupos de pesquisa climática.

NINA CHESTNEY, REUTERS

24 Maio 2012 | 14h33

Os países concordaram que cortes profundos das emissões são necessários para limitar o aumento da temperatura média global a 2 graus Celsius neste século acima dos níveis pré-industriais, um limite que os cientistas dizem que é o mínimo necessário para restringir efeitos climáticos devastadores.

Eles acreditam que o limite de 2 graus só será possível se os níveis de emissão forem mantidos a cerca de 44 bilhões de toneladas de dióxido de carbono equivalente em 2020.

O relatório da organização não-governamental Climate Analytics, da consultoria Ecofys e do Instituto Potsdam para Pesquisa do Impacto Climático apontou que muitos governos não estão implementando políticas para cumprir seus compromissos de redução de emissões para 2020, e poderão aumentar em vez de diminuir a diferença entre as emissões reais e o que é necessário para limitar o aquecimento.

Negociadores de mais de 180 países estão reunidos em Bonn, na Alemanha, até sexta-feira, para trabalhar no sentido de fazer um novo pacto climático global ser assinado até 2015 e garantir que reduções ambiciosas das emissões sejam feitas após o Protocolo de Kyoto expirar no final deste ano.

Contudo, disputas processuais e uma relutância em aumentar o nível de redução das emissões devido a restrições econômicas estão ameaçando um progresso.

"É claro que muitos governos estão longe de colocar em prática as políticas a que eles se comprometeram, políticas que não são suficientes para manter o aumento de temperatura abaixo de 2 graus", disse Bill Hare, diretor da Climate Analytics.

"Nós já identificamos uma grande diferença nas emissões e as medidas tomadas provavelmente não devem diminuir essa lacuna -- na verdade, parece que o oposto está acontecendo", acrescentou.

FORA DE CURSO

O planeta está se dirigindo para um aumento de temperatura de pelo menos 3,5 graus, mas que pode ser ainda maior se as promessas para 2020 não forem cumpridas, advertiu o relatório.

"Haveria efeitos bastante profundos nos países em desenvolvimento", disse Hare a repórteres.

"E haveria um grande impacto na Europa, com ondas de calor extensas, escassez de água e... riscos à saúde que não vimos antes."

Mesmo se os governos adotarem as promessas de corte de emissões mais ambiciosas e fizerem uso de uma responsabilidade muito rigorosa, a diferença das emissões diminuiria apenas para 9 bilhões de toneladas, disse o relatório.

A previsão é equivalente ao máximo de algumas estimativas anteriores.

Em novembro passado, o Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas disse que as emissões em 2020 poderiam subir para entre 6 bilhões e 11 bilhões de toneladas acima do que é necessário para limitar o aquecimento global, dependendo de quão rigorosamente as políticas fossem aplicadas.

"A maioria das políticas que analisamos ainda não são suficientemente concretas para ser quantificadas, ainda não foram implementadas e/ou ainda não são suficientemente ambiciosas para garantir que os países atinjam suas promessas. Esta é uma tendência preocupante", disse Niklas Höhne, diretor de Energia e Política Climática na Ecofys.

Alguns grandes emissores não estão no caminho de cumprir suas promessas.

Embora os Estados Unidos esperem reduzir as emissões em 2020, isto se deve principalmente ao impacto da crise econômica e a uma mudança do carbono pesado para o gás natural mais limpo.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE AQUECIMENTO RELATORIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.