Pais atiram em bebê por desespero ante o aquecimento global

Criança de 7 meses sobrevive; casal argentino ainda atirou no outro filho, de 2 anos, e depois cometeu suicídio

BBC Brasil, BBC

02 Março 2010 | 07h27

Uma bebê de sete meses baleada no peito pelos próprios pais sobreviveu depois de permanecer sozinha por três dias até ser encontrada pela polícia, na última quinta-feira, na cidade de Goya, norte da Argentina. Francisco Lotero, de 56 anos, e Miriam Coletti, de 23 anos, teriam firmado um pacto de suicídio por temerem os efeitos do aquecimento global. Assim, eles mataram a tiros o filho de dois anos, balearam a filha de sete meses e se suicidaram.

 

Veja também:

linkAgências meteorológicas vão refinar dados sobre o clima

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono     

Sobre uma mesa na casa foi encontrada uma carta em que os pais expressavam seu nervosismo diante da falta de ações dos países contra a crise ambiental.

A bebê só foi encontrada depois de os vizinhos desconfiarem do cheiro que exalava da casa e notificarem a polícia.

Segundo o hospital local que cuida da menina, ela recebeu um tiro de calibre 32 que atravessou seu peito, mas sem atingir nenhum órgão vital. Quando foi encontrada, ela estava banhada em sangue e apresentava um quadro grave de desidratação.

Os médicos informaram que a paciente se recupera bem e está fora de perigo. Depois de receber alta, ela deve ficar aos cuidados de seus avós maternos. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.