Órgãos internacionais exigem que questão da água seja discutida em cúpulas

Especialista defende que as mudanças climáticas são as principais causadoras do declínio de 65% dos ecossistemas relacionados com a água

09 Dezembro 2010 | 01h50

CANCÚN - Vários organismos internacionais exigiram nesta quarta-feira, 8, que a gestão da água no mundo seja discutida no marco de futuras Conferências da ONU sobre Mudança Climática, assunto excluído das atuais reuniões.

O diretor-geral da Comissão Nacional de Água do México (Conagua), José Luis Luege, indicou que "a água deve estar no centro do debate da mudança climática".

 

A Conagua organizou paralelamente à Cúpula da Mudança Climática de Cancún (COP-16) um evento no qual especialistas internacionais analisaram durante vários dias a questão da água e a mudança climática.

 

As conclusões desse fórum foram apresentadas na COP-16 nesta quarta-feira.

"O maior custo no futuro da humanidade será a adaptação à mudança climática, e 70% desses custos serão no setor da água", avaliou Luege.

O coordenador internacional do Programa de Cooperação para Clima e Água (CPWC, sigla em inglês), Henk van Schaik, assinalou que "muitos setores cruciais relacionados à água terão que adaptar-se às transformações geradas pela mudança climática, como a produção agrícola e a energia hidroelétrica".

 

Anders Berntell, diretor-executivo do Instituto Internacional de Água de Estocolmo (SIWI), criticou os negociadores da COP-16 por "até agora terem duvidado em incluir referências específicas na Conferência sobre como enfrentar o problema da água de um modo sistemático".

 

"Quando a disponibilidade de água é afetada, são prejudicadas a produção de alimentos, a produção de energia, as florestas e os sistemas de saúde, entre outras coisas", apontou.

 

Tim Kasten, vice-diretor da ONU-Água, assinalou que "65% dos ecossistemas relacionados com a água no mundo estão declinando", e que a mudança climática é uma das "principais causadoras dessa situação".

 

"É urgente que administremos e restauremos esses sistemas" para que os ecossistemas de água possam seguir regulando "a qualidade da água e as inundações", continuando o "fornecimento a agricultura, indústria, comunidades e setor energético", apontou Kasten.

 

Por último, a diretora de desenvolvimento sustentável do Banco Mundial, Laura Tuck, afirmou que o tema da água deve ser incluído nas negociações da mudança climática porque "à medida que o mundo se vê mais interligado, as decisões de um país afetam os demais", o que pode gerar conflitos internacionais.

Mais conteúdo sobre:
ONU, Cancún, água, clima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.