Operação do Ibama aplica mais de R$ 11 mi em multas em RO

Sete empresas foram lacradas por atuar clandestinamente; 22 madeireiras tinham estoque de origem ilegal

Solange Spigliatti, estadao.com.br

07 Agosto 2008 | 09h25

A Operação Guardiães da Amazônia, do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), aplicou mais de R$ 11 milhões em multas contra desmatamento ilegal no centro-oeste de Rondônia, em 24 dias de atuação.   - Veja o desmatamento da Amazônia, mês a mês     A Base Operativa montada no município de São Francisco do Guaporé, centro-oeste do Estado, aplicou 81 autos de infração. Sete empresas foram lacradas porque operavam clandestinamente. A região fiscalizada fica localizada no entorno de várias Unidades de Conservação Federais e Estaduais, como a Reserva Biológica do Rio Guaporé, as Reservas Extrativistas do Rio Cautário, o Parque Nacional Pacaás Novos, Parque Estadual Serra dos Reis e Terras Indígenas como as T.I.s Massaco, Rio Branco, Uru-Eu-Wau-Wau.   Durante a operação, os agentes ambientais federais vistoriaram 30 madeireiras e autuaram 22 delas por ter em estoque madeira sem origem legal e por vender produto florestal sem autorização. Foram cumpridos também, em madeireiras fechadas, dois mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça Estadual.   Foram apreendidos mais de 2.600 metros quadrados de madeiras em toras e serradas, suficientes para carregar 300 caminhões. São espécies valorizadas na construção civil e na indústria moveleira, como cambará, oiticica, mirindiba, garapa, cerejeira e Angelim. O valor da madeira apreendida foi calculado em R$ 800 mil. Parte desse montante foi retido por transporte ilegal de produto florestal na rodovia federal BR-429, que liga os municípios de Alvorada do Oeste até Costa Marques.   No campo, foram embargados 8.531 hectares de áreas desmatadas. Os locais dos desmatamentos, na maioria feitos a corte raso, foram detectados por imagens do Sistema de Detecção em tempo real (Deter) enviadas pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Sobrevôos de monitoramento por meio do helicóptero do Ibama constataram as derrubadas ilegais. A aeronave do Instituto flagrou muita madeira escondida dentro da mata.

Mais conteúdo sobre:
Guardiães da Amazônia Ibama

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.