José Paulo Lacerda/AE
José Paulo Lacerda/AE

Ópera reune xamanismo ianomami e tecnologia no Sesc Pompéia

Depois de passar pela Bienal de Munique, na Alemanha, ‘Amazônia - teatro música em três partes’ chega a São Paulo

Karina Ninni, estadao.com.br

21 Julho 2010 | 17h54

Mistura de música, teatro, arte multimídia, tecnologia e ciência, a ópera "Amazônia - teatro música em três partes" estréia nesta quinta no Sesc Pompéia e segue em curta temporada até o dia 25 (domingo). O evento aborda, em três atos, o desmatamento e a destruição da maior floresta tropical do planeta a partir de duas perspectivas: a dos índios - no caso, da etnia ianomami - e a tecno-científica. A estreia do espetáculo aconteceu na XII Bienal de Munique, em maio.

 

"Para os precurssores da perspectiva tecno-científica, a floresta é informação. E informação que está desaparecendo, antes mesmo de se dar a conhecer", esclarece o sociólogo Laymert Garcia dos Santos, autor do argumento da ópera. Segundo ele, no início do processo de produção, que durou 4 anos, a ideia era envolver mais povos indígenas, além dos ianomami. "Mas acabamos optando por trabalhr somente com eles, pois conhecíamos bem o pensamento mítico ianomami sobre o fim da floresta como consequência de uma utilização predatória de recursos", explica Santos.

 

A ópera é dividia em três atos: no primeiro é mostrada a conquista da Guiana, sob a égide do mito do Eldorado, cidade procurada durante séculos por conquistadores como Francisco de Orellana e Gonzalo Pizarro, que teria ouro e riquezas em abundância. O segundo trata da visão ianomami sobre o final da floresta. E o terceiro aborda as possíveis soluções para a questão das mudanças climáticas, tendo a floresta como centro das atenções.

 

O espetáculo é resultado de uma parceria entre o Sesc-SP e a Bienal de Munique, o ZKM Centro de Arte e Mídia de Karlsruhe, o Goethe-Institut (escritórios de Munique, Lisboa e São Paulo), o Teatro Nacional São Carlos, de Lisboa, e a Hutukara Associação Yanomami.

 

"Levamos xamãs ianomami para Munique e trouxemos compositores alemães para a aldeia. Foi um processo longo e muito complexo", disse Santos.

 

A maior parte do elenco e dos profissionais envolvidos é alemã. Ao contrário do que se poderia imaginar, não há índios no palco. O músico brasileiro Tato Taborda assina a produção musical do segundo ato.

 

“O espetáculo traz uma temática contemporânea, de valores universais, que discutida à luz das artes, mostra ao espectador a inovação na mistura de tecnologia de som e imagem e a tradição Yanomami. Para o SESC, é uma questão estratégica fazer parte deste debate", afirma o diretor do Sesc, Danilo Santos de Miranda.

 

Serviço:

Amazônia - teatro música em três partes

De 21 a 25 de julho de 2010

Sesc Pompéia - Rua Clélia, 93

Quarta a sábado, 20h. Domingo, 19h.

Partes 1 e 2 – Área de Convivência.  Parte 3 – Teatro.

Classificação indicativa: 12 anos

Ingressos: R$ 7,50 a 30,00.

Duração total (3 partes): 210 minutos (incluindo intervalos)

Lotação: 260 pessoas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.