ONU quer reduzir à metade mortes por desastre natural

Para isso, organização pediu mais fundos a fim de ajudar os países a se prepararem para esses eventos

Reuters,

19 Junho 2009 | 18h06

A Organização das Nações Unidas (ONU) pediu nesta sexta-feira, 19, mais fundos a fim de ajudar os países a se prepararem para os desastres naturais, em vez de responderem a eles. Segundo a ONU, medidas simples podem reduzir à metade o número de mortes causadas pelos desastres.

 

Veja também:

link China e Índia correm risco extremo de desastres, adverte ONU

link Mudança climática já causa 315 mil mortes por ano, diz estudo

link Desastres naturais afetarão 375 mi por ano em 2015, diz Oxfam

 

John Holmes, coordenador de operações de emergência da ONU, disse que 10 por cento da ajuda humanitária e 30 por cento do dinheiro para responder à mudança climática deveriam ser usados para ajudar a fortificar escolas e hospitais e a ensinar as pessoas a como sobreviverem a crises.

 

"Não é possível evitar que os desastres aconteçam, mas é possível fazer uma diferença enorme no que diz respeito à morte de pessoas e, ao menos em alguma extensão, à destruição do meio de vida delas", afirmou ele numa entrevista coletiva em Genebra.

 

Falando ao final de uma reunião sobre resposta a desastres da ONU, que durou uma semana, Holmes afirmou que um investimento mais inteligente da assistência estrangeira poderia proteger vidas em países altamente expostos a tempestades, terremotos e ciclones.

 

No ano passado, os desastres naturais mataram quase 236 mil pessoas e causaram 181 bilhões de dólares de prejuízos, principalmente na China, de acordo com estimativas da ONU.

 

Bangladesh e China são considerados os dois países de maior risco para mortes em enchentes, deslizamentos e outros perigos cuja frequência deve aumentar com o aquecimento global.

 

Embora o número de mortes sofra uma enorme variação ano a ano dependendo dos desastres ocorridos - em 2008, o ciclone Nargis atingiu Mianmar e a China enfrentou o grande terremoto de Sichuan -, Holmes disse que medidas preparatórias poderiam reduzir o número no longo prazo.

Mais conteúdo sobre:
desastres naturais ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.