ONU propõe taxas para ajuda humanitária de US$ 400 bi

Entre os projetos estão um imposto sobre as emissões de dióxido de carbono e operações financeiras

O Estado de S. Paulo,

08 Julho 2012 | 17h10

GENEBRA - Em meio à crise econômica mundial, a Organização das Nações Unidas (ONU) busca mecanismos para reduzir a dependência que os países em desenvolvimento têm de ajuda humanitária. Em estudo divulgado nesta semana, a ONU propõe uma série de taxas, que podem arrecadar até US$ 400 bilhões por ano para a cooperação internacional.

Entre os projetos estão um imposto sobre as emissões de dióxido de carbono em países desenvolvidos, uma pequena taxação sobre transações monetárias e a participação no porcentual recolhido sobre operações financeiras da União Europeia.

"Os países doadores têm reduzido a pequenas quantias suas contribuições e a assistência para o desenvolvimento teve um declínio no último ano por causa dos cortes de orçamento, causando uma queda de US$ 167 bilhões," afirma Rob Vos, que liderou o estudo.

O relatório da Pesquisa Econômica e Social Mundial 2012 conclui que os recursos atuais de financiamento têm se concentrado no combate a doenças específicas em países pobres, sem dar a devida atenção aos sistemas de saúde. O estudo aponta a necessidade de criação de um "fundo global para a saúde".

 

Mais conteúdo sobre:
ONU ajuda financeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.