ONU lança em Nagoya relatório sobre proteção da vida marinha

Cenário para 2050 é de queda da produtividade dos oceanos; pesca deve se voltar para espécies menores

Reuters

19 Outubro 2010 | 13h20

Os ecossistemas marinhos do mundo estão sob risco de deterioração nas próximas décadas, com os oceanos ameaçados pela poluição, a sobrepesca e as mudanças climáticas, mostrou um relatório das Nações Unidas nesta terça.

 

 

O relatório do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA), baseado em estudos de 18 regiões, prevê que a produtividade vai cair em quase todas elas por volta de 2050, com a pesca se voltando para espécies menores da porção inferior da cadeia alimentar.

 

O relatório foi lançado como um dos esforços de quase 200 países unidos em uma conferência da ONU em Nagoya, no Japão, com foco na proteção e restauração de ecossistemas como florestas, recifes de coral e os oceanos que dão suporte a subsistência de muitas comunidades e economias.

 

 

As temperaturas da superfície dos mares poderá aumentar até 2100 se nenhuma providência for tomada para tentar deter as mudanças climáticas, afetando os recifes de coral e outros organismos marinhos, afirma o relatório.

 

 

Uma outra ameaça é um aumento contínuo do nível de nitrogênio, que pode desencadear a proliferação de algas e levar ao envenenamento de peixes e da vida marinha.

 

 

"Serviços que valem milhões de dólares, incluindo a pesca, o controle climático e aqueles relativos à indústria do turismo estão sob risco se os impactos no ambiente marinho continuarem", disse Achim Steiner, presidente do PNUMA em um comunicado.

 

 

"Este relatório global, baseado em 18 relatórios regionais, destaca que a ambição das ações tem agora de ganhar a escala e a urgência do desafio que está a nossa frente."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.