Onda de frio na Europa deixa ao menos 139 mortos

Moradores de uma aldeia húngara estavam escavando a terra com as próprias mãos à procura de carvão, nesta quinta-feira, quando uma frente fria vinda da Sibéria varreu o Leste Europeu, matando muita gente e dando sinais de que deve permanecer sobre o continente por mais uma semana.

MARTON DUNAI, REUTERS

02 Fevereiro 2012 | 17h07

Pelo menos 139 pessoas já morreram na Alemanha e Leste Europeu desde a chegada da frente fria, interrompendo o que vinha sendo um inverno excepcionalmente brando na Europa.

Na localidade húngara de Farkaslyuk, as pessoas escalavam os 30 metros de uma pilha de detritos deixada por uma mina desativada, na esperança de juntar carvão suficiente para aquecer casas e cozinhas pelos próximos dias.

"Isso nos livra de ir para a prisão", disse o cigano Jozsef Bari, pai de três filhos, ex-trabalhador da mina. "Se não fizéssemos isso, poderíamos todos ir roubar lenha (na floresta), e aí seríamos perseguidos (pela polícia)." Bari estava dentro de um poço de 3 metros cavado no meio do monte de detritos.

Nas montanhas próximas a Farkaslyuk ("toca do lobo", em húngaro), a temperatura caiu a -22ºC.

A frente fria deve continuar por pelo menos mais uma semana, porque uma zona de alta pressão sobre a Rússia empurra o ar seco e frio para o sul, segundo o meteorologista alemão Helmut Malewski.

Na Ucrânia, país mais afetado pela onda de frio, as escolas fecharam, e os supermercados de Kiev, a capital, começaram a sofrer desabastecimento, porque os caminhões não conseguem fazer entregas com temperaturas que chegam a -25ºC. Em 24 horas, mais 20 pessoas morreram, elevando o total para 63, a maioria deles sem-teto.

A Cruz Vermelha anunciou verbas para a construção de albergues para moradores de rua em Belarus e na Ucrânia, e governos de toda a região também prometeram medidas semelhantes.

LOBOS FAMINTOS

Nevascas que bloqueiam ruas e estradas, o gelo tomando conta dos trilhos ferroviários e o congelamento dos combustíveis e fluidos de bateria nos carros deixam os transportes complicados no Leste Europeu.

Na região sérvia de Ivanjica, escolares tiveram de ir a cavalo para a escola, e os adultos usavam seus animais para irem buscar mantimentos. Os moradores disseram estar com medo de que lobos invadam a zona urbana atrás de comida.

O serviço meteorológico europeu Meteoalarm manteve seu alerta vermelho para a Sérvia, onde 11 mil pessoas estão isoladas pela neve nas áreas rurais.

"Estava tão frio (...) que vários dos nossos frangos e perus morreram congelados", disse o avicultor Milan Radojcic, na aldeia de Sadljike (sudoeste). "Os ovos no galinheiro estavam duros de congelados."

Na vizinha Bósnia, helicópteros resgataram idosos e enviaram mantimentos em localidades isoladas por até 30 centímetros de neve caída durante a noite, quando a mínima chegou a -29ºC.

Balneários croatas tiveram raras nevascas, enquanto na Romênia barcos que haviam ficado presos no gelo do mar Negro puderam voltar a navegar. Na capital, Bucareste, o frio continuou intenso, para alívio do primeiro-ministro Emil Boc, já que o clima rigoroso impede a continuidade das manifestações das últimas semanas contra medidas de austeridade impostas pelo governo.

Partes da Eslováquia registraram sua menor temperatura em meio século.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE EUROPA FRIO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.