Onça-parda recebe tratamento após ser atropelada na Bandeirantes

O animal foi encontrado por funcionários da concessionária no km 167,5 da rodovia, deitado no canteiro central, na altura de Cordeirópolis

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

01 Maio 2017 | 12h01

SOROCABA - Uma onça-parda foi resgatada com vida, neste domingo (30), após ser atropelada por um veículo, na Rodovia dos Bandeirantes, em Cordeirópolis, interior de São Paulo. O animal foi encontrado por funcionários da concessionária no km 167,5 da rodovia, deitado no canteiro central. Eles acionaram o Corpo de Bombeiros e a Associação Mata Ciliar, de Jundiaí, que fizeram o resgate. De acordo com a veterinária Cristina Harumi Adania, coordenadora da Mata Ciliar, a onça teve fraturas nas duas patas traseiras e já recebeu o primeiro tratamento. A recuperação deve levar de um a dois meses.

O resgate do animal, um espécime jovem de 2,5 anos, exigiu a interdição temporária das duas pistas da rodovia. Um especialista do Corpo de Bombeiros disparou um dardo para tranquilizar o felino, que estava bastante agitado. Conforme a veterinária, após o procedimento, foi montada uma lona no local para proteger a onça do sol, enquanto era examinada. Ela acredita que a onça-parda habitava remanescentes de matas que circundam a rodovia e atravessava a pista em busca de alimentação. Após se recuperar, a onça receberá um colar de monitoramento e será solta em alguma mata da região.

Outros casos. No dia 14 de abril, uma onça-parda perseguida por um carro escalou uma árvore de 15 metros no centro de Americana, na mesma região. O resgate levou cinco horas e atraiu uma multidão. Em outubro do ano passado, outro felino da mesma espécie foi resgatado no interior de uma indústria da cidade. Estudo do Instituto Chico Mendes para a Conservação da Biodiversidade (ICMBio) indica que ao menos 15 onças-pardas vivem em matas dessa região. Dos 11 animais que receberam colares, quatro foram mortos, provavelmente por caçadores, somente em 2016.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.