Obama e crise devem dominar reunião sobre clima na Polônia

Para especialista, eleição nos EUA indica progressos, mas recessão pode atrapalhar.

Da BBC Brasil, BBC

01 Dezembro 2008 | 05h54

O 14º encontro da Conferência da Organização das Nações Unidas sobre Mudança Climática (UNFCCC, na sigla em inglês) em Poznan, na Polônia, começa nesta segunda-feira cercado de expectativas. De um lado, acredita-se que a eleição do democrata Barack Obama para a Presidência dos Estados Unidos possa impulsionar as negociações rumo a um acordo para redução de emissões de gás carbônico. Mas de outro, há a preocupação de que a crise econômica mundial e os temores de recessão nos países desenvolvidos ameacem dificultar as já espinhosas discussões sobre maiores compromissos e investimentos neste sentido. O professor Anthony Hall, da London School of Economics e autor de diversos livros sobre meio ambiente, acredita que os líderes mundiais vão enfrentar dificuldades em Poznan. "A eleição de Obama leva a uma nova onda de mudanças na política de meio ambiente, mas vão ser negociações delicadas para conciliar os novos acontecimentos da crise, que restringem a capacidade de investimento", afirmou Hall à BBC Brasil. 'Papel chave' O especialista britânico disse ainda que o Brasil tem uma grande oportunidade de assumir um papel ainda mais destacado de liderança nas negociações deste ano. "O Brasil tem uma posição respeitada na diplomacia internacional e nos assuntos climáticos pela própria história do país, do envolvimento na elaboração do Protocolo de Kyoto, mas acho que o país pode ter um papel chave não só na Polônia como em Copenhague." Para isso, será fundamental que o país consiga articular uma proposta viável de mecanismo REDD - a sigla em inglês para redução de emissões provenientes de desmatamento e degradação de florestas. Este é talvez o ponto mais importante para o Brasil e outros países da América Latina que têm em seus territórios vastas áreas verdes. A idéia é criar formas de financiar a manutenção das florestas nestes países diante das fortes pressões desenvolvimentistas internas. Em Poznan, espera-se que os países participantes avancem no sentido de uma estrutura que possibilite a transferência de recursos para REDD em países pobres e que dê aos países desenvolvidos a certeza de que estes recursos serão aplicados na redução de emissões. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.