1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Morte de bovinos é a cara da seca

Sergio Torres, Enviado especial - O Estado de S.Paulo

19 Dezembro 2012 | 02h 07

Projeção é de que cerca de 40% do rebanho do Nordeste será perdido por causa da estiagem, que dura 1 ano e 8 meses

PENAFORTE (CE) - Quem viaja pelas estradas entre cidades atingidas pela pior seca das últimas décadas no Nordeste se espanta com a sequência interminável de carcaças de bovinos a apodrecer ao lado das pistas. A morte de cabeças de gado, aos milhares, é, para o viajante, o impacto mais visível e chocante da estiagem de quase dois anos que afeta 12 milhões de sertanejos de oito Estados nordestinos.

Um exemplo da mortandade está no km 533 da BR-116, quase na chegada da cidade de Penaforte, a última do Ceará antes da divisa com Pernambuco, na região do Cariri. À vista, na margem direita da estrada, os corpos de seis bois e vacas representam um aviso sinistro para os passantes. Depois dali, a quantidade de carcaças é tanta que chega a ser um componente da paisagem, como são os arbustos cinzentos e o solo de pedra e cactos.

São diversos cálculos - todos alarmantes - de quantos bovinos já morreram e vão morrer, pois antes de fevereiro de 2013 a seca não deverá acabar, segundo previsões meteorológicas.

O diretor de Sanidade Animal e ex-presidente do Conselho Nacional de Pecuária de Corte (CNPC), Sebastião Guedes, estima que só neste ano o Nordeste perderá ao menos 1 milhão de cabeças de gado por causa da seca interminável.

"Já tivemos secas intensas, mas, com essa intensidade, não vejo há 30 anos. Para os pequenos produtores, a estiagem é mortal. São eles os mais afetados", comenta o dirigente do CNPC.

Para uma aferição mais precisa, Guedes recomenda o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária da Paraíba, Mário Borba, especialista e estudioso dos vários problemas provocados pela seca no Nordeste.

Borba é bem mais pessimista. Ele sustenta que a situação é muito mais grave que a prevista pelo dirigente do CNPC. O presidente prevê que 20% do rebanho bovino terá perecido em todo o Nordeste ao final do período sem chuvas, com exceção do Maranhão, único Estado que não é afetado.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no relatório da pesquisa Produção da Pecuária Nacional, o Nordeste tinha 29.583.041 cabeças de gado em 31 de dezembro de 2011. Os 20% de mortes estimadas pelo pecuarista paraibano significam quase 6 milhões de bovinos. "Nossa projeção é de que 20% morrerão; 10% serão abatidos antes da hora, porque o dono não vai esperar o gado morrer; e 10% serão vendidos para outros Estados, como Pará e Maranhão, por qualquer dinheiro. Ou seja, ao fim da seca, o Nordeste terá perdido 40% de seu rebanho, um prejuízo incalculável", disse Borba.

Tragédia animal

Embora a visão impressione, as carcaças expostas nas estradas são uma parte menor da tragédia animal que assola o sertão nordestino. Aqueles bois e vacas morreram em propriedades vizinhas à pista. Por hábito, os proprietários tiram os restos mortais de suas terras e os abandonam onde não há dono, os acostamentos.

Nas terras afastadas das estradas, longe dos olhos dos viajantes, a mortandade é mais expressiva. No alto da Chapada do Boqueirão, área erma do município de Bodocó, no sertão pernambucano, os bovinos morrem como se afetados por uma praga.

Não sobrou um animal do rebanho de 50 cabeças dos moradores da localidade de Soturno, no alto da serra. A falta de água e de pasto matou todos os bois e vacas. As carcaças ficam por ali mesmo.

"Os bezerros a gente nem conta. Vão morrendo e a gente deixa na roça mesmo", conta Francineide Rodrigues de Sena, de 19 anos, moradora do sítio Logrador.

Radicado há três anos na cidade de Salgueiro, polo econômico do sertão de Pernambuco, o engenheiro Arão de Lavor busca comparar a seca atual com outras ocorridas ao longo dos séculos no Nordeste brasileiro. "Antes as secas matavam gente e bichos. Hoje só matam bichos", disse ele, referindo-se à facilidade nos deslocamentos e no acesso a meios de transporte, e aos benefícios e auxílios sociais, como o Bolsa-Família e cestas básicas de alimentos, dados aos mais pobres pelos governos federal e estaduais. Assim, a vítima da seca consegue sobreviver, apesar da gravidade da situação.

Exceção, criador não leva carcaças à beira da estrada

Exceção no grupo de pequenos pecuaristas do qual faz parte, Antônio Neto Lucas, de 36 anos, se recusa a levar para a beira de estrada os bois que têm morrido em seu sítio na margem direita da BR-122, ligação entre os municípios cearenses da Chapada do Araripe, como Crato, e o sertão pernambucano.

O argumento do criador é o de não considerar correto o despejo das carcaças em áreas públicas. "O boi morreu aqui, então aqui ele fica. Acho errado jogar fora", disse, na manhã do dia 13.

O sítio, chamado de Boqueirão, em referência à serra próxima, fica junto à rodovia federal, entre os municípios de Granito e Bodocó, em Pernambuco.

Para levar os animais mortos até a lateral da pista, bastava a Neto Lucas carregá-los por não mais que 20 metros. "O cheirinho não está bom, mas vai ficar aqui mesmo", afirmou ele, apontando para um bovino que apodrecia a poucos metros da casa em que vive. Ao lado da carcaça, circulam bois e vacas com as costelas nítidas sob o couro.

O pequeno criador já contou a morte de 15 dos 40 bovinos que tinha quando a estiagem começou. Ele previu que mais animais não resistirão à falta de água e de alimentos, já que a pastagem e os arbustos ressecaram. "Vai morrer muito mais ainda. Aqui não chove há 1 ano e 8 meses", disse ele, que não faz cálculos dos prejuízos financeiros no período. "Nem sei isso", desconversou.

O depoimento de Deusdete Francisco dos Santos, de 62 anos, revela outro drama das populações sem chuva: o êxodo rural, já que as cabeças de gado estão morrendo. Ele fala que morreu toda a criação da fazendinha em que trabalhava, em Bodocó. "Saí de casa por causa dessa seca. Ficou ruim arrumar trabalho por aqui. Serviço, não tem mais. Na minha idade, não sei como será", lamentou.