Ministro italiano diz que não pode haver 'falhas' em Copenhague

Franco Frattini acredita que na reunião sobre clima será alcançado um acordo de meta de emissão de CO2

ANSA,

26 Novembro 2009 | 14h56

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, afirmou nesta quinta-feira, 25, que não pode haver "falhas" na Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática, que acontecerá entre os dias 7 e 18 de dezembro em Copenhague, na Dinamarca.

 

Veja também:

linkLula discute proposta climática comum com países da Amazônia

linkChina irá a Copenhague e levará meta de redução de emissões

linkEmissão do Brasil cresceu 62% entre 1990 e 2005

linkEUA vão propor corte de 17% em suas emissões

linkPresidente tcheco diz que acordo climático fere a liberdade

especial Entenda as negociações do novo acordo 

 

"Em Copenhague, não podemos falhar", ratificou o chanceler. "Se os Estados Unidos estão prontos para reduzir 17%, a União Europeia, 20%, e a China, para fazer sua parte, pode-se chegar a um acordo, que ainda não é um tratado, mas algo politicamente vinculado", continuou.

 

Nesta quarta-feira, a Câmara dos Deputados da Itália aprovou por unanimidade uma moção sobre políticas públicas e mudanças climáticas, que prevê uma série de iniciativas para diminuir a emissão de gases causadores do efeito estufa, em vista da conferência.

 

O documento ressalta a importância da promoção de "mecanismos que levem em conta a crise econômica mundial e ajudem no direcionamento de esforços e recursos para eficazes políticas ambientais e energéticas".

 

O deputado Agostino Chiglia, líder do partido governista Povo da Liberdade (PDL) na Comissão Ambiental da Câmara, comentou que, com este texto, "a Itália se apresentará mais forte em Copenhague".

Mais conteúdo sobre:
Italia clima Copenhague

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.