Metas de nações ricas em CO2 são fracas, dizem especialistas

Compromissos apresentados até agora não bastam para impedir mudanças trágicas no clima mundial

Alister Doyle e Gerard Wynn, Reuters,

22 Junho 2009 | 18h49

 As promessas das nações industrializadas de cortes de emissões do gás do efeito estufa até 2020 estão muito aquém das reduções profundas amplamente defendidas para enfrentar o aquecimento global, disseram especialistas nesta segunda-feira, 22.           

 

Veja também:

linkGeleiras suíças derretem mais rápido do que nunca, diz estudo

linkUE quer financiamento mundial contra mudança climática

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade            

         

A Rússia, o terceiro maior emissor do gás do efeito estufa, principalmente por causa da queima de combustíveis fósseis, afirmou na sexta-feira que até 2020 irá fazer uma redução de 10% a 15% em relação aos níveis de 1990. É o mais recente país a divulgar sua meta.

                                

Os cortes totais de emissões de nações industrializadas, antes da reunião que deve formalizar em dezembro um novo pacto da ONU sobre clima, em Copenhague, agora se situam em média entre 10% e 14% em relação aos níveis de 1990, segundo cálculos da Reuters.                                

 

"Em seu conjunto, são metas muito fracas", disse Knut Alfsen, diretor de pesquisa do Centro para Pesquisa Internacional em Ambiente e Clima, em Oslo.                                

 

"Eu esperaria que a Rússia fosse mais ousada", afirmou Bob Watson, chefe do conselheiro científico do Ministério do Meio Ambiente britânico e ex-líder do Painel do Clima da ONU.                                

 

O compromisso da Rússia significa, na prática, um aumento em relação aos níveis atuais, já que suas emissões estão mais de 30% abaixo dos níveis de 1990, reduzidas fortemente pelo colapso da União Soviética e de sua poluente indústria pesada. Watson disse que esperava que a Rússia fixasse para 2020 uma meta de corte de 30%.                                

 

A média dos planos de cortes até 2020 - incluindo as dos Estados Unidos, União Europeia e Japão - ficaram bem aquém de uma variação de 25% a 40% abaixo dos níveis de 1990, estimada pelo Painel de Clima da ONU para evitar os piores efeitos do aquecimento global, como mais secas severas, inundações, elevação do nível dos mares, tempestades muito fortes e perdas na produção de alimentos.                                

 

"A Rússia é uma das economias mais ineficientes do mundo em termos de energia, tem um interesse próprio muito alto para buscar metas mais elevadas", disse Nick Mabey, executivo-chefe da ONG ambientalista E3G.                                

 

"Projeções mostram que se a Rússia fracassar na melhora de sua eficiência energética, não será capaz de cumprir seus atuais compromissos de exportação de gás natural, por causa da demanda doméstica", afirmou.                                

 

Nações em desenvolvimento, lideradas pela Índia e China, querem que os países industrializados cortem pelo menos 40% - alegando que as evidências de mudanças no clima estão ficando mais fortes - como compensação para que os mais pobres comecem a agir para coibir suas crescentes emissões.                                

 

Eles argumentam que as nações desenvolvidas são historicamente responsáveis pela maior parte das emissões.                                

 

O líder do Painel de Clima da ONU, Rajendra Pachauri, disse que a não efetivação desses cortes profundos vai colocar o mundo no caminho de um aquecimento "perigoso" de mais de 2 graus centígrados acima dos níveis pré-industriais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.