Wilson Dias/ABr
Wilson Dias/ABr

Marina critica relatório sobre alterações no Código Florestal

Pré-candidata à Presidência pelo PV diz que propostas são retrocesso contra 20 anos de lei ambiental

Caroline Pires, do estadão.com.br

09 Junho 2010 | 18h50

BRASÍLIA - A senadora Marina Silva (PV-AC) fez duras críticas no início da noite desta quarta-feira, 9, sobre o relatório do deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP) sobre as alterações no Código Florestal apresentado, na última terça, à comissão especial que debate o assunto na Câmara dos Deputados.

 

A um dia do lançamento oficial da candidatura à Presidência da República pelo PV, Marina também desafiou os outros pré-candidatos a se manifestarem sobre o projeto para não serem considerados "omissos e coniventes" com as alterações propostas ao código.

 

Pelo relatório de Aldo Rebelo, a área mínima de preservação ambiental às margens dos rios seria reduzida de 30 para 7,5 metros. O deputado também propõe que seja responsabilidade dos Estados as áreas desmatadas devem ser recuperadas, inclusive com espécies exóticas. Na Amazônia, onde a proteção é maior, leis estaduais poderão reduzir para até 20% o porcentual de preservação das propriedades com vegetação de Cerrado.

 

Ex-ministra do Meio Ambiente, Marina Silva convocou a imprensa na tarde desta quarta-feira e desfiou duras críticas ao relatório. Segundo a senadora, as propostas de alteração do Código Florestal "constituem mais do que um retrocesso contra os 20 anos de legislação ambiental brasileira". "Nunca vi um argumento tão fora de propósito e descontextualizado do que se está sendo posto no mundo. (...) Nem o Micheletto conseguiu fazer um relatório tão nefasto", completou, se referindo ao deputado Moacir Micheletto, notório defensor dos interesses ruralista.

 

As críticas de Marina Silva foram dirigidas em especial à dispensa da exigência da Reserva Legal das propriedades com até quatro módulos. A Reserva Legal determina a proteção ambiental de 20% de cada propriedade. A senadora apontou que 70 milhões de hectares teriam a Reserva Legal dispensada caso a proposta seja aprovada.

 

"A atualização do código deve ser para proteger mais as florestas e não o contrário", disse. Outra crítica foi disparada à possibilidade de haver anistia aos desmatadores. Seriam, caso o projeto seja aprovado, os responsáveis pelo desmatamento de 40 milhões de hectares entre 1996 e 2008 ficariam sem punição.

 

Críticas ao governo

 

Marina Silva ponderou que, ao criticar o relatório, não pretendia "vilanizar" o deputado Aldo Rebelo. "Não posso dizer que o relatório feito por um deputado é de responsabilidade do executivo", disse. Mas, quando questionada se o deputado não estaria agindo a mando de setores do governo ligados ao ex-ministro da Agricultura Reinhold Stephanes (PMDB), Marina afirmou que "esses retrocessos têm sido estimulados dentro do governo há tempos". Segundo a senadora, desde que ela deixou o ministério do Meio Ambiente, no início do ano passado, estes retrocessos estão ocorrendo seguidamente.

 

A senadora também disse que a discussão deste projeto em período eleitoral é "no mínimo questionável", porque, segundo ela, alguns parlamentares se valem dos debates para "fazer discursos fáceis para bases retrógradas".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.