Reuters
Reuters

Lima pode avançar em corte mais severo de gases de efeito estufa

Pela 1ª vez, texto da COP cita limite de 1,5°C para o aquecimento global até 2100; sugestão brasileira também ganha apoio

Denise Chrispim Marin, ENVIADA ESPECIAL/O Estado de S. Paulo

08 Dezembro 2014 | 20h46

LIMA - Negociadores de 195 países decidiram avançar em Lima no texto-base do acordo final sobre redução de emissões de gases do efeito estufa a ser assinado em Paris, em novembro de 2015. Copiado pela imprensa e por organizações não-governamentais na 20.ª Conferência das Partes sobre Mudanças Climáticas (COP-20), no Peru, esse rascunho amplia a ambição do acordo de Paris ao mencionar seu objetivo final de impedir o aumento da temperatura média do planeta superior a 2ºC “ou 1,5ºC” até o fim deste século.

Os textos anteriores se restringiam à meta de 2ºC. O valor de 1,5°C imporá ao mundo um corte mais severo de emissões, entre 2020 e 2100. 

O rascunho não tem valor legal e tampouco foi plenamente digerido por grande parte dos negociadores presentes em Lima. “Se vocês não entenderam, não se preocupem, não são os únicos”, disse uma diplomata europeia. Mas é considerado bom começo para a discussão. 

“Sairá um rascunho melhor daqui de Lima, com status jurídico claro”, declarou um negociador brasileiro. O Brasil e outros países esperam anexá-lo ao texto final da COP20, de Lima, cuja versão preliminar igualmente foi copiada ontem. Esse segundo texto traz o modelo segundo o qual as negociações de 2015 devem ser conduzidas e as ofertas nacionais, apresentadas. Terá de definir, entre outras questões básicas, qual o ano-base de comparação para os cortes de gases.

Círculos. No desenho do texto final, a proposta brasileira de criar “círculos concêntricos” vem ganhando força. Trata-se de um meio-termo entre os países desenvolvidos e em desenvolvimento. A fórmula prevê que os primeiros, no círculo central, terão de fazer ofertas mais ambiciosas. Os demais, como o Brasil, fariam ofertas adequadas a suas condições. Mas deixariam claro os compromissos de convergir para o centro. “Nenhuma proposta atraiu tanta atenção em Lima”, afirmou o ministro Raphael Azeredo, diretor do Departamento de Meio Ambiente do Itamaraty.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.