Jornada épica leva quatro cavalos raros de volta para casa

Quatro raros cavalos-de-przewalski (Equus ferus przewalskii) chegaram em casa em suas pastagens nativas da Ásia Central após uma épica jornada de avião e caminhão a partir da Europa.

Associated Press

24 Junho 2011 | 17h53

As três éguas e o garanhão hoje galopam na reserva Khomiin Tal, oeste da Mongólia, após um voo de 6.000 km com origem em um zoo da República Checa e uma viagem de caminhão de 280 km pela Mongólia.

As fêmeas Kordula, Cassovia e Lima, e o macho Matyas, chegaram do Zoo de Praga como parte de um esforço para reintroduzir a espécie na reserva. O diretor do zoo, Miroslav  Bobek, qualificou a viagem de 52 horas dos cavalos de “um grande sucesso”.

“Dificilmente poderia ter ido melhor”, disse Bobek nesta sexta-feira à Associated Press. “Eles sobreviveram em boas condições... parecem se sentir em casa”.

Ainda assim, Bobek disse que os quatro precisarão de várias semanas, ou meses, para se recuperarem e acostumarem ao novo ambiente antes de poderem se juntar a uma manada de outros 24 cavalos-de-przewalski reintroduzidos anteriormente por uma organização francesa.

Marrom-escuro e nativo das estepes da Ásia Central, o cavalo-de-przewalski foi extinto na natureza ao fim dos anos 60. Está listado como espécie em perigo crítico pela União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN) e é considerado selvagem por nunca ter sido domesticado com sucesso.

Programas internacionais, a maior parte envolvendo organizações neerlandesas, suíças e alemãs de vida selvagem, têm feito esforços para reintroduzir a espécie, primeiro em parques nacionais chineses durante a segunda metade dos anos 80 e depois na Mongólia. Por problemas financeiros, o último transporte fora organizado em 2007, levando o Zoo de Praga a agir sozinho pela primeira vez.

Bobek disse que o zoo, que cria cavalos desde sua fundação em 1932, planeja transportar mais quatro de seus cavalos-de-przewalski para a Mongólia no ano que vem.

Mais conteúdo sobre:
Cavalos extinção Mongólia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.