Istambul sedia conferência de luta contra a desertificação

Fenômeno global custa ao mundo 32,7 bi de euros por ano e causa pobreza, emigração e desemprego

Efe

03 Novembro 2008 | 16h46

Istambul sediou nesta segunda-feira, 3, a inauguração da 7ª conferência para a aplicação da Convenção das Nações Unidas contra a Desertificação, um fenômeno global que custa ao mundo 32,7 bilhões de euros por ano.   O ministro do Meio Ambiente da Turquia, Veysel Eroglu, disse no discurso de abertura do encontro que a desertificação é um "risco comum que provoca pobreza, emigração, desemprego e escassez de comida e segurança e que toda a humanidade deve tomar medidas conjuntas".   O ministro turco se referiu às informações das Nações Unidas ao avaliar em 32,7 bilhões de euros anuais os prejuízos que representam o avanço do deserto e já garantiu que 193 países assinaram a Convenção para lutar contra este fenômeno e garantir um desenvolvimento sustentável.   Eroglu disse que a Turquia é um dos países que sofrem este processo e que está participando ativamente de todos os esforços contra este problema.   Segundo informações da ONU, a desertificação ameaça 1,2 bilhão de pessoas de 110 países do mundo.   A reunião de Istambul, aberta até o próximo dia 14, é a sétima reunião na qual será analisada a aplicação da Convenção contra a Desertificação, um documento aprovado em 1994 e cujo objetivo é reunir esforços na luta contra este problema meio ambiental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.