IPCC vai rever relatório de degelo em geleira do Himalaia

Tese é criticada pela Índia, que diz não haver prova de que degelo está ligado a mudanças climáticas

Krittivas Mukherjee, Reuters

18 Janeiro 2010 | 16h03

Os cientistas do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC), da ONU, disseram nesta segunda-feira que revisarão um relatório contendo uma projeção de que as geleiras do Himalaia podem desaparecer até 2035, uma descoberta incisivamente criticada pelo governo indiano. 

 

Em 2007, o relatório do painel da ONU dizia que o aquecimento global poderia causar no Himalaia o desaparecimento de milhares de glaciares até 2035 se as taxas atuais de aquecimento global continuarem. 

 

"Estamos estudando a questão das geleiras do Himalaia, e tomaremos uma posição sobre este assunto nos próximos dois ou três dias", disse Rajendra Pachauri, chefe do IPCC, por e-mail. Outros especialistas disseram que os 10 maiores rios da Ásia alimentados pelas geleiras poderiam secar nas próximas cinco décadas. Centenas de milhões de pessoas na Índia, no Paquistão e na China seriam afetadas.

 

O ministro indiano do Meio Ambiente, Jairam Ramesh, foi interrogado nesta segunda sobre as conclusões do relatório de 2007. "Elas [as gelerias] estão realmente recuando e a taxa é motivo de grande preocupação", disse Ramesh. Mas ele afirmou que a previsão de 2035 "não se baseia em um pingo de evidência científica". 

 

Outros especialistas dizem que a projeção de 2035 não foi baseado em revisão científica por seus pares. Em Londres, o jornal The Times disse que o cientista indiano que fez a primeira projeção sobre o degelo do Himalaia, em 1999, já reconheceu que era "especulação". 

 

Falhas nos relatórios do IPCC podem ser prejudiciais, uma vez que os resultados são um guia para as políticas governamentais. A principal conclusão do IPCC de 2007 é de que há mais de 90% de certeza de que a humanidade é a principal causa do aquecimento global, principalmente pela utilização de combustíveis fósseis. Ramesh disse que ele tinha sido acusado de "vodu" por questionar as conclusões do IPCC sobre o Himalaia no passado. 

 

De acordo com o relatório do IPCC de 2007, "as geleiras do Himalaia estão derretendo mais rápido do que em qualquer outra parte do mundo e, se a taxa atual continuar, a probabilidade de eles continuarem desaparecendo até o ano de 2035 - ou talvez mais cedo - é muito alta, se o aquecimento da Terra permanecer na taxa atual".

 

No entanto, também segundo o relatório, "sua área total [das geleiras] provavelmente diminuirá dos presentes 500.000 quilômetros quadrados para os 100.000 quilômetros quadrados até o ano de 2035". 

 

Na cúpula do clima em Copenhague, no mês passado, o indiano Pachauri defendeu fortemente as conclusões do núcleo de clima do IPCC após um escândalo de vazamento de e-mails da Universidade de East Anglia, na Inglaterra. No escândalo do e-mail, os céticos sobre as mudanças climáticas acusaram pesquisadores de conspirarem para suprimir dados dos outros. 

 

Ramesh disse, em novembro, que um estudo, encomendado pelo governo indiano, não havia encontrado nenhuma prova conclusiva para ligar a diminuição das geleiras do Himalaia às mudanças climáticas. Ele reconheceu que muitas das 9,5 mil geleiras do Himalaia na Índia estão diminuindo, mas algumas estão encolhendo em ritmo mais lento ou mesmo aumentando de tamanho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.