IPCC revisa previsão de derretimento de geleiras do Himalaia

Ministro indiano faz ataque a previsão de que as geleiras desapareceriam até 2035, contida em relatório

Reuters,

18 Janeiro 2010 | 16h29

O comitê de cientistas climáticos das Nações Unidas está revisando um relatório que contém a previsão de que as geleiras do Himalaia podem desaparecer até 2035, uma afirmação duramente criticada pelo governo indiano.

 

Veja os principais pontos do acordo de Copenhague

 

O relatório, de 2007, diz que o aquecimento global pode fazer com que os milhares de geleiras do Himalaia desapareçam se as taxas atuais de ganho de temperatura se mantiverem.

 

"Estamos analisando a questão das geleiras do Himalaia e tomaremos uma posição dentro de dois ou três dias", informou, por e-mail, Rajendra Pachauri,  chefe do Painel Intergovernamental Para a Mudança Climática (IPCC).

 

Outros especialistas já afirmaram que os dez maiores rios asiáticos que as geleiras alimentam podem secar nos próximos 50 anos. Centenas de milhões de pessoas na Índia, China e Paquistão seriam afetadas.

 

O ministro indiano do Meio Ambiente, Jairam Ramesh, questionou as afirmações do relatório.

"Elas estão mesmo diminuindo e a taxa causa grande preocupação", disse Ramesh a respeito das geleiras, mas acrescentou que a previsão para 2035 "não se baseia em nenhum vestígio de evidência científica".

 

Outros especialistas já haviam afirmado que a projeção de 2035 não se baseava em ciência devidamente revisada. Em Londres, o jornal Times disse que o cientista indiano responsável por lançar a projeção do degelo, em 1999, reconheceu que ela era "especulação".

 

falhas nos relatórios do IPCC podem ser prejudiciais, já que as descobertas enumeradas ali são um guia para a elaboração de políticas governamentais. A principal afirmação feita pelo IPCC em 2007 foi de que há mais de 90% de certeza de que a humanidade é a principal causa do aquecimento global, principalmente por causa do uso de combustíveis fósseis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.