REUTERS/Stringer/Files
REUTERS/Stringer/Files

Impacto do clima na produção de alimentos pode causar 529 mil mortes em 2050

Redução na oferta de frutas e vegetais e aumento do consumo de carne podem levar à desnutrição e sobrepeso

Giovana Girardi, O Estado de S. Paulo

02 Março 2016 | 20h30

O impacto das mudanças climáticas na produção de alimentos em todo o mundo tem o potencial de levar à morte extra de 529 mil adultos em 2050. É o que calculam pesquisadores da Universidade de Oxford, em uma avaliação sobre 155 países, em estudo publicado nesta quarta-feira, 2, na revista médica The Lancet

Os autores, liderados por Marco Springmann, levaram em conta que as consequências da perda de produção podem ir além da redução imediata na oferta que alimento, que seria o problema mais óbvio, mas também levar a mudanças na composição da dieta e no peso corporal dessas populações, que igualmente poderiam levar a mortes. 

Entre essas mudanças, eles consideraram fatores como a redução do consumo de frutas e vegetais e aumento no de carne vermelha, ligados ao sobrepeso. "Isso tudo aumenta a incidência de problemas como doenças cardíacas, derrames e câncer, assim como a morte por essas doenças", afirmou Springmann em comunicado à imprensa.

Segundo os autores, a falta de frutas e vegetais pode causar duas vezes mais mortes que a desnutrição. Segundo o trabalho, as mudanças climáticas podem reduzir em 1/3 a melhoria projetada de disponibilidade de alimentos em 2050.

A maior parte dessas mortes aconteceria na Ásia, ficando a China com quase metade dessas mortes (247.970), seguida de Índia (135.970). Mas a maioria dos outros países, em menor grau, também seria atingida. O Brasil, por exemplo, teria 4.490 mortes extras. Esses números são comparados com um cenário sem mudanças climáticas. Sem elas, ao contrário, poderia haveria um aumento na disponibilidade e no consumo de alimentos capaz de evitar 1,9 milhão de mortes.

Em alguns poucos países são previstas reduções no número de mortes com essas mudanças, como de 600 pessoas na África do Sul e de quase mil na Venezuela.

Isso porque pode haver ganhos na redução de obesidade. De acordo com o trabalho, esse efeito poderia evitar até 260 mil mortes em todo o mundo em 2050. Mas esse número é superado pelo aumento de mortes relacionadas à baixa disponibilidade de calorias em alguns casos e ao aumento de mortes de pessoas em sobrepeso (266 mil mortes extras).

Brasil. Um outro estudo divulgado nesta quarta, sobre os riscos de mudanças climáticas mais extremas no Brasil, aponta riscos para a produção de soja, milho, feijão e arroz. De acordo com o trabalho, liderado por Eduardo Assad, da Embrapa, nos piores cenários de aquecimento global, em que a temperatura média do País suba 4°C ou mais, pode haver uma redução das áreas de baixo risco para o plantio dessas culturas. No caso da soja, essa perda pode ser de 81%. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.