Sandor H. Szabo/Efe
Sandor H. Szabo/Efe

Hungria abre inquérito criminal para apurar vazamento de lama tóxica

Temor é de que contaminação chegue ao Danúbio, que também banha Romênia , Ucrânia e outros

AP

06 Outubro 2010 | 14h27

A Hungria abriu um inquérito criminal nesta quarta-feira para apurar o vazamento de lama tóxica e a União Européia pediu às autoridades que façam tudo o que puderem para deixar a substância contaminada longe do Danúbio - o que afetaria meia dúzia de outras nações.

 

Milhares de pessoas tiveram de ser evacuadas depois que um reservatório gigante ruiu na segunda-feira em uma usina de alumínio em Ajka, uma cidade a 160 quilômetros de Budapeste, capital do País.

 

Pelo menos quatro pessoas morreram, três ainda estão desaparecidas e 120 foram afetadas pela torrente de lama vermelha que inundou casas, ruas e contaminou cerca de 1 milhão de  metros cúbicos de resíduos tóxicos em diversas cidades vizinhas.

 

Na quarta-feira ainda não se sabia porque parte do reservatório havia vazado. O Primeiro Ministro Viktor Orban disse que as autoridades foram pegas de surpresa pela catástrofe, pois a usina havia sido inspecionada apenas duas semanas antes e nenhuma irregularidade fora  encontrado.

 

A porta-voz da Polícia, Monika Benyi, disse que a decisão do Chefe de Polícia Jozsef Hatala de abrir inquérito reflete a importância e a complexidade do desastre. Ela afirmou que os investigadores estão apurando se houve descuido no trabalho.

   

O imenso reservatório, com mais de 300 metros de altura e 450 de largura já havia parado de vazer nesta quarta, mas uma parede protetora tripla estava sendo erguida ao redor da área danificada.Guardas estão postados ao lado do local para o caso de uma nova emergência. 

   

 

A torrente vermelha já atingiu o rio Marcal, mas não se sabe o quanto ele foi contaminado. Trabalhadores estavam despejando mil toneladas de gesso na água para tentar dar uma liga à lama e impedi-la de chegar no rio Danúbio, que está a cerca de 72 quilômetros.     

 

As autoridades húngaras estimaram na terça que a substância demoraria cerca de cinco dias para atingir o rio, um dos mais importantes da Europa. Além da Hungria, o Danúbio banha a Croácia, a Sérvia, a Romênia, a Bulgária, a Ucrânia e a Moldávia - e deságua no Mar Negro.

 

Os engenhairos consideraram até mesmo desviar o rio Marcal, mas decidiram não fazê-lo, temendo que

os danos sejam imensos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.