Hotéis vão reduzir diária em até 35%

Acordo com associação hoteleira do Rio e agência Terramar sobre tarifas para a Rio+20 foi anunciado pelo Palácio do Planalto

Rafael Moraes Moura, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2012 | 07h44

BRASÍLIA - O Palácio do Planalto anunciou ontem acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio de Janeiro (Abih-RJ) e a agência Terramar para reduzir de 25% a 35% o valor das diárias durante a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20. Também está previsto o fim de pacotes que exigem um período mínimo de dias.

De acordo com a Terramar, operadora de turismo oficial licitada pelo governo para o evento, a partir de hoje estarão disponíveis de 3,5 mil a 3,8 mil quartos para o período de 12 a 19 de junho, antes da fase principal da conferência (20 a 22). "Nós fizemos um esforço junto com a hotelaria para atender ao pedido do governo de que as tarifas tivessem uma redução média de 25%", afirmou Rogério Frizzi, diretor comercial da Terramar.

A pressão do governo sobre o setor se intensificou na semana passada, após o anúncio de que delegações estrangeiras e até da Câmara dos Deputados não arcariam com as elevadas despesas com hospedagem durante a Rio+20. O Parlamento Europeu tomou a decisão de cancelar a vinda ao constatar que a conta poderia chegar a 100 mil euros, dez vezes mais que o previsto.

Na sexta-feira, o Planalto escalou quatro ministros - entre eles os da Justiça, José Eduardo Cardozo, e da Advocacia-Geral da União, Luis Inácio Adams - para pressionar o setor hoteleiro e cobrar uma redução nas diárias.

"A lei da oferta e da procura não é absoluta, não pode se traduzir em práticas abusivas. Se houver práticas abusivas, o governo tem não só o direito, mas a obrigação de defender os consumidores e a imagem do País. Estamos prontos a agir no caminho do diálogo", disse o presidente da Embratur, Flávio Dino.

De acordo com Dino, o acordo será retroativo, ou seja, vai beneficiar aqueles que já compraram as diárias nos preços antigos. "Há prazos de devolução", diz.

O Itamaraty deverá entrar em contato com as delegações que comunicaram desistência nos planos de participar da conferência, informou Dino. "Estamos aguardando a formalização do acordo e, a partir de amanhã, a comissão organizadora e o Itamaraty vão comunicar a todos os participantes (o acordo)", disse.

O acordo atinge os mais de cem hotéis cujas diárias estão sendo cuidadas pela Terramar, mas Dino acredita num efeito dominó na redução das tarifas. Ele garantiu que uma comissão formada por representantes da entidade, do Ministério do Turismo e da Justiça vai monitorar os preços praticados no mercado.

Confiança. Questionado sobre o que ocorrerá com os hotéis que eventualmente não cumprirem o acertado, Dino respondeu: "Essa hipótese não ocorrerá. Não só a entidade representativa está assinando o acordo como os próprios hotéis também. Temos total confiança no valor político, simbólico e jurídico".

Em nota, a Casa Civil diz que "os hotéis também concordaram em receber e comercializar, a partir de amanhã, em conjunto com a Terramar, os apartamentos bloqueados e não vendidos até o momento, com valores que não ultrapassem os preços de referência pactuados". Segundo a Casa Civil, o acordo prevê o fim do comissionamento cobrado pela operadora sobre as diárias. / COLABOROU HELOISA ARUTH STURM

Mais conteúdo sobre:
Rio 20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.