Efe
Efe

Hora do Planeta: o mundo apaga as luzes

Movimento coordenado pela WWF, Hora do Planeta mobiliza 125 países

Karina Ninni, Especial para O Estado

26 Março 2010 | 21h08

Realizado pela primeira vez na Austrália, em 2007 - quando 2 milhões de pessoas desligaram suas luzes durante uma hora – A Hora do Planeta deve mobilizar este ano 3.483 cidades no mundo todo. Ao todo serão 1.277 ícones apagados, entre os quais a Golden Gate e o Empire State Building, nos EUA, a Cidade Proibida, em Pequim, a Torre Eiffel, em Paris, a catedral de Helsinki, o Palácio de Buckingham, em Londres,  e o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Nepal, Lituânia, Bangladesh, Ilhas Maurício e Ilha Cook, estão entre os 36 países que participam pela primeira vez da Hora do Planeta. Este ano, 125 países e 56 capitais aderiram ao movimento organizado pela World Wildlife Foundation (WWF) como uma forma pacífica de protesto contra o aquecimento global.

O Brasil começou a participar no ano passado, com 113 cidades. Este ano, 20 capitais apagarão seus monumentos no sábado, incluindo São Paulo, que apagará a Ponte Estaiada, o Monumento às Bandeiras, o Viaduto do Chá, o Estádio do Pacaembu, o Obelisco, o auditório do Parque do Ibirapuera e algumas luzes do próprio parque.

 

“Em 2009, conseguimos mobilizar aproximadamente 20 mil pessoas no Brasil inteiro”, contabiliza Cláudio Maretti, Superintendente de Conservação para os Programas Regionais do WWF-Brasil.

 

A Câmara dos Deputados e o Senado Federal também participam da Hora do Planeta, apagando as luzes dos dois prédios em Brasília. “Ao aderir ao movimento, a Câmara dá um exemplo e traz para si a responsabilidade de discutir de forma mais responsável leis como a do Código Florestal”, lembrou Maretti.

 

Empresas

A Rádio Eldorado foi escolhida pela WWF como a emissora oficial da Hora Planeta, com uma programação especial voltada para a cobertura do movimento em todo o País.  A partir das 15 h 30 da tarde de sábado a emissora fará uma contagem regressiva para o evento, com chamadas de personalidades como o ex-jogador Raí, a cantora Mariana Aydar e o chef Alex Atala. A emissora também aderiu ao movimento – as luzes externas do prédio-sede do Grupo Estado, em São Paulo, serão apagadas.

 

No Brasil, o evento é patrocinado pela Tim, a rede Wal Mart, a Coca Cola e o HSBC.

 

“Somos uma rede de varejo e o diferencial do nosso negócio no tocante à sustentabilidade é o poder de mobilizar e levar informação para os consumidores”, afirma Christianne Urioste, diretora de sustentabilidade da rede, lembrando que diariamente passam pelas lojas 2 milhões de pessoas.

 

Segundo a WWF, 2.210 empresas no Brasil aderiram à iniciativa, entre elas o Carrefour, a Vivo, a Unilever, o Santander, o Mac Donnald’s, o Banco do Brasil, a Telefônica, o Grupo Pão de Açúcar e a Vivo.

 

“Vamos enviar 1.5 milhão de SMS em 20 estados brasileiros, convocando nossos clientes a aderir à Hora do Planeta”, diz Juliana Limonta, Consultora Sócio-Ambiental da Vivo. “Nossa intenção é que as mensagens se espalhem como um viral, para amplificar o poder de mobilização”.

 

A Vivo, que tem 52 milhões de clientes no Brasil, apagará as luzes nos prédios administrativos em todo o Brasil. O Teatro Vivo, em São Paulo, vai funcionar com parte das luzes desligadas neste sábado.

 

O Carrefour, uma rede gigantesca com 163 lojas no Brasil inteiro, apagará totens e luminosos fora das edificações. No interior das lojas, o nível de iluminação deverá ser reduzido em até 50%.

 

“A causa mundial do Carrefour é a questão das mudanças climáticas. Estamos fazendo um esforço para reduzir nosso consumo de energia em 30%, para reduzir as emissões das lojas e implantar nelas o conceito de resíduo 0”, explica Paulo Pianez, Diretor de Sustentabilidade da rede.

 

Esse ano, o Carrefour já começou a banir de suas lojas brasileiras as famigeradas sacolinhas plásticas, substituindo-as por um material totalmente biodegradável. “Esperamos banir de vez as sacolinhas até 2014”, projeta Pianez.

 

As capitais brasileiras que apóiam o movimento são Rio de Janeiro, São Paulo, Vitória, Belém, Campo Grande, Curitiba, Porto Alegre, Brasília, Manaus, Rio Branco, João Pessoa, Belo Horizonte, Palmas, Cuiabá, Fortaleza, Recife, Goiânia, São Luís, Salvador e Florianópolis.

 

“Trata-se de um ato simbólico cujo objetivo é dizer ao mundo e às autoridades que estamos atentos para a questão do aquecimento global e suas consequências”, afirma Cláudio Maretti.

 

Times

 

Real Madrid e Valencia, duas das maiores equipes de futebol da Espanha, aderiram à "Hora do Planeta". O Real apagará as luzes do estádio Santiago Bernabéu por uma hora, e o Valencia estenderá hoje uma lona no centro do gramado de seu estádio, o Mestalla, antes do confronto contra o Málaga e também no intervalo da partida.

 

Fora da Espanha, outros clubes também ofereceram apoio à iniciativa, como o Bayern de Munique.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.