General Motors anuncia modelo que faria 97 km por litro

Carro é modelo híbrido de gasolina e motor elétrico, e poderá chegar ao mercado no final de 2010

EFE,

11 Agosto 2009 | 15h46

O presidente da General Motors (GM), Fritz Henderson, anunciou que a companhia desenvolverá o modelo Chevrolet Volt, com um sistema capaz de percorrer até 230 milhas por galão de combustível (97 quilômetros por litro).

 

Militares dos EUA buscam biocombustível de algas

AIE reduz projeção para demanda por petróleo até 2013

 

 A GM espera pôr à venda este automóvel elétrico até o fim de 2010.

 

Durante entrevista coletiva em Detroit, Henderson disse que a alta eficiência no consumo de combustível do motor do Volt "será um grande fator nas vendas".

 

"Pela primeira vez os compradores de veículos automotores poderão comparar facilmente a economia de combustível do veículo elétrico com os veículos que usam apenas gasolina", acrescentou.

 

A GM trabalhou durante anos com a Agência de Proteção Ambiental do Governo dos Estados Unidos (EPA) para elaborar os testes que medem a economia de combustível do Volt.

 

A classificação que a EPA usa se aplica igualmente a todos carros de passeio.

 

 A economia de combustíveis dos veículos híbridos - que usam motor elétrico e motor de combustível -, como o Toyota Prius, é mostrada nas informações do automóvel da mesma maneira que qualquer outro veículo que use só gasolina.

 

 O Toyota Prius, por exemplo, tem um rendimento de 46 milhas por galão (19,5 quilômetros por litro), comparado com as 19 milhas por galão (8 quilômetros por litro) do Ford Mustang V-6.

 

Esta norma funciona porque toda a energia usada pelo Prius, em última instância, procede da combustão de gasolina. O Prius simplesmente usa a energia de maneira mais eficiente que outros automóveis.

 

O Chevrolet Volt, por outro lado, funciona com eletricidade que procede de duas fontes: uma bateria e um motor de gasolina. A energia a ser gerada com a combustão de gasolina depende da distância percorrida pelo veículo.

 

 Henderson explicou que, como a maioria dos motoristas dirige seu automóvel uma média de 40 milhas (65 quilômetros) por dia, o veículo estaria dentro de uma área onde seria necessária apenas a carga das

baterias de íon de lítio.  

Mais conteúdo sobre:
EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.