Reuters
Reuters

Gases-estufa ganham padronização internacional para cálculo de emissões

Método mostrou que cidades brasileiras emitem muito pouco, em relação ao resto do mundo

Agência Brasil

24 Março 2010 | 11h38

As emissões de gases de efeito estufa ganharam nesta terça-feira, 23, um método comum para calcular a quantidade de gás carbônico lançada no ar. O Padrão Internacional para Determinar as Emissões de Gases de Efeito Estufa vai calcular as emissões de cada cidade.

 

Veja também:

linkFAO revisará impacto da indústria da carne no clima  

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialRumo à economia do baixo carbono  

 

O lançamento da padronização aconteceu durante o 5º Fórum Urbano Mundial, realizado no Rio de Janeiro, e resulta de um trabalho conjunto entre a Organização das Nações Unidas (ONU) e o Banco Mundial.

 

A intenção do novo método é a de proporcionar a comparação entre as cidades. Um dos problemas para medir a poluição era justamente a falta de uma padronização.

 

"É uma linguagem comum, que serve para todas as cidades, que poderão comparar suas próprias emissões a cada ano", explicou o técnico do Banco Mundial, Daniel Hoornweg, que liderou o estudo.

 

Segundo Hoornweg, o novo método demonstrou que as cidades brasileiras emitem muito pouco, em relação ao resto do mundo. "Isso se deve à matriz hidrelétrica, ao etanol e também porque o sistema de transporte nas cidades brasileiras é bem melhor do que em outras partes", disse ele.

 

Com o novo método é possível saber, por exemplo, que os moradores da cidade do Rio emitem mais gás carbônico do que os paulistanos.

 

Segundo os dados, cada carioca emite 2,1 toneladas de gás carbônico por ano, bem mais que os paulistanos, que emitem 1,4 tonelada do gás no mesmo período.

 

De acordo com o Banco Mundial, entre os motivos que colocam o Rio à frente de São Paulo na poluição está a maior quantidade de habitantes em São Paulo, o que "dilui" a poluição entre mais gente, já que o índice é per capita. Outro fator que favorece São Paulo em relação ao Rio é a maior malha do metrô, que transporta seis vezes mais passageiros do que sistema carioca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.