França pode ser multada por não garantir sobrevivência de hamster

Ameaça de extinção do Grande Hamster da Alsácia, última espécie de hamster selvagem da Europa, pode render multa de 24.6 milhões de euros ao país

AP e The New York Times

10 Junho 2011 | 19h09

Para a Corte Europeia de Justiça, o tribunal mais importante do bloco, a França tem sido hostil ao Grande Hamster da Alsácia. Segundo o jornal The New York Times, os franceses podem ser multados em US$24.6 milhões.

 

O argumento da corte é que a França não adotou políticas suficientes para proteger o animal, originário da região da Alsácia, que fica no leste do país, junto às fronteiras com a Alemanha e a Suíça. Menos de 200 indivíduos da espécie, última espécie viva de hamster selvagem da Europa, permanecem nos campos da França oriental.

 

O tribunal advertiu, na quinta-feira, que o governo da França pode receber a multa se não tomar medidas para garantir a sobrevivência do animal, que dizem respeito ao reestabelecimento de  culturas agrícolas que os hamsters comem e à construção de empreendimentos que assegurem a conservação da espécie. A ação judicial começou a tramitar em 2009.

 

Jean-Paul Burget, presidente da organização de proteção aos animais francesa Sauvegarde Faune Sauvage, disse que o país precisa trabalhar para aumentar a população da espécie até 1500. Burget também disse ao Times que a França deve se comprometer com antigos acordos de cultivo dos cereais, principal refeição do roedor. A entidade apresentou uma queixa inicial em nome do hamster à Comissão Europeia em 2006.

 

O Ministério do Meio Ambiente francês diz que as populações do hamster estão melhorando desde que o caso foi levado ao tribunal europeu, graças aos esforços do governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.