Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Fórum Mundial da Água ocorre a poucos metros de região com racionamento

Não há desabastecimento na área que sedia o evento, mas população vizinha sofre com crise hídrica que atinge Brasília

André Borges, O Estado de S.Paulo

19 Março 2018 | 19h22

BRASÍLIA - A poucos metros do estacionamento do Estádio Mané Garrincha, onde o governo do Distrito Federal ergueu estruturas para sediar o 8.º Fórum Mundial da Água, as torneiras estão secas.

+++ No Fórum Mundial da Água, Cármen critica soluções ‘demagógicas’ para problema da escassez

É dia de racionamento em praticamente toda a Asa Norte, região do Plano Piloto de Brasília, que sedia o evento internacional. Não há desabastecimento na área do estádio e do Centro de Convenções Ulisses Guimarães, mas a população que mora a menos de 500 metros dali está sem água, por causa da crise hídrica que atinge o Distrito Federal, situação que ainda não tem data para acabar. Quem tem na região está utilizando caixa d'água.

+++ 'A vida na Terra estará ameaçada se não respeitarmos os limites da natureza', diz Temer

Os protestos pela falta de água durante o primeiro dia do evento foram marcados pela presença de agentes da Polícia Civil, que levaram um boneco inflável gigante do governador Rodrigo Rollemberg (PSB), para o local de acesso ao centro de convenções. A água, no entanto, era apenas pretexto para o barulho dos policiais. O que os agentes realmente cobram é a equiparação de seus salários com os da Polícia Federal. 

+++ ONU estima 5 bilhões vivendo em risco de escassez hídrica até 2050

Com faixas em português e inglês, os policiais criticaram a incapacidade do governo de resolver os problemas básicos de sua gestão, quanto mais lidar com o racionamento que afeta a região há mais de um ano. 

Na abertura oficial do fórum, no Ministério das Relações Exteriores, Rodrigo Rollemberg disse que o Distrito Federal sairá do rodízio até o fim deste ano. Sua gestão culpa o atraso de obras de governos anteriores pelos problemas atuais com o abastecimento. 

A previsão é que, até sexta-feira, 23, cerca de 40 mil pessoas participem do evento, que projeta receber 5 mil estrangeiros. A última edição do encontro, em 2015, foi realizada pela Coreia do Sul. Antes o evento passou por França, Turquia, México, Japão, Holanda e Marrocos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.