Forte calor e temporais atingem várias regiões dos EUA

Temporais assolaram durante a noite o Nordeste dos Estados Unidos e devem voltar a atingir a região, com rajadas de vento e granizo, ao mesmo tempo que as planícies centrais e o sul do país são afetados pelo calor recorde.

REUTERS

01 Agosto 2011 | 14h38

As entidades que observam a rota dos furacões se concentram em uma tempestade em formação no Caribe, a leste das Pequenas Antilhas, a qual em algum momento nesta segunda-feira poderá se transformar em tempestade tropical, a ser batizada de Emily, disse o meteorologista Mark Mancuso, da Accuweather.com.

Estados norte-americanos na costa poderão ser tocados pela tempestade mais para o final da semana se ela se dirigir para o Golfo do México ou o Atlântico, disse ele. De acordo com Alex Sosnowski, da Accuweather, a Emily poderia se aproximar da costa dos EUA no fim de semana.

O Centro Nacional dos Furacões, dos EUA, também informou nesta segunda-feira, pela manhã, que a tempestade tropical Eugene, no Pacífico Leste, pode transformar-se em furacão no fim do dia.

Depois de um mês de temperaturas recordes nos EUA, não há sinal de alívio para o calor nas planícies do centro e sul do país, segundo o Serviço Nacional do Tempo (NWS, na sigla em inglês). Meteorologistas do NWS disseram que foram registradas temperaturas recordes para o mês de julho, o mais quente até hoje, em Oklahoma City (no Estado do Oklahoma); na capital, Washington, e em Wichita Falls (Texas).

O meteorologista Bobby Boyd, do NWS em Nashville, no Tennessee, disse que julho foi o mês mais quente em quase duas décadas, tendo a temperatura durante 27 dias atingido 32 graus ou mais.

"Nashville teve o que pode muito bem ser o mais elevado índice de calor registrado," disse Boyd. A alta temperatura combinada à elevada umidade produziu um índice de 114 na tarde de 11 de julho.

As previsões são de que nesta segunda-feira a temperatura alcance os 35 graus e chegue a quase 38 nos próximos dias, segundo Boyd. Em New Orleans, na Louisiana, o índice pode chegar a 113 entre terça e quinta-feira.

Em julho foram registradas 2.676 temperaturas recordes, ou que igualaram um recorde anterior, de costa a costa dos EUA, segundo a meteorologista Mary Yoon da Accuweather.com. A onda de calor deve continuar em agosto, disse Yoon.

No Nordeste, os temporais deram lugar ao céu límpido, mas devem retornar com maior intensidade no fim do dia.

Mais conteúdo sobre:
AMBIENTE EUA CALOR*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.