Feira de Marketing apresenta produtos sustentáveis inovadores

Violão e boneca sustentáveis são algumas das ideias que poderão estar disponíveis em breve no mercado

Fernanda Fava, estadao.com.br

20 Maio 2010 | 15h28

Os alunos do 5º semestre da graduação em Administração da Fundação Getulio Vargas (FGV) tiveram um desafio durante as aulas da disciplina de Marketing: idealizar e conceber produtos sustentáveis que fossem perfeitamente viáveis economicamente e que não existissem no mercado. Na próxima sexta-feira, dia 28, os 30 grupos de alunos apresentam seus projetos inovadores durante a 48ª edição da Feira de Marketing de produtos sustentáveis, que acontece na sede da FGV. O evento é aberto ao público.

 

A proposta da sustentabilidade já estava presente das duas últimas edições e engloba não apenas a preocupação com o meio ambiente, mas também o apelo social. Entre os produtos concebidos pelos estudantes, encontra-se o violão sustentável, feito com madeira de reflorestamento certificada e outros materiais de baixo impacto ambiental. Além disso, o descarte consciente também está garantido: a ideia é que o consumidor ganhe desconto em sua próxima compra se entregar o violão usado.

 

Outro projeto que será apresentado é o do saco de lixo orgânico. O produto vem com um sachê, e logo que o consumidor fechar o saco, microorganismos presentes no dispositivo começarão a decompor o lixo orgânico. "Como o produto sairia mais caro que um saco de lixo normal, a forma encontrada pelos alunos para viabilizar a ideia foi fazer uma parceria: uma cooperativa coleta o lixo e o grupo garante o lucro com a produção de adubo e com a venda de créditos de carbono", explica a professor da Escola de Administração de Empresas de São Paulo da FGV,  Edgard Barki, coordenador da Feira há cerca de dois anos. "O interessante é ver que o modelo de negócios vai além do produto em si."

 

Outro projeto interessante é o da boneca sustentável, fabricada só com materiais reciclados e com roupinhas confeccionadas por uma cooperativa. O trabalho explora também a educação ambiental, que leve a criança a pensar e a aprender mais sobre sustentabilidade. As bonecas têm diferentes modelos. A da flora, por exemplo, vem com uma planta, regador e livrinho explicativo. Outros produtos que estarão presentes nesta edição da feira são a fralda biodegradável, os móveis e acessórios feitos de PET, uma linha de cosméticos a base de Urucum, a lingerie sustentável e o sorvete sustentável, entre outros.

 

Os alunos passam por todas as etapas da criação de um produto: ideia, pesquisa de mercado, plano de marketing, definição de preço, divulgação e até mesmo o pós-uso e descarte. "A ideia é fazer o produto sair da prancheta e ter ao menos um protótipo pronto na feira", diz Barki. "Podem até vender o produto na feira."

 

Antes da feira, na terça-feira, os alunos apresentam suas ideias para um júri - composto por professores, especialistas de mercado e executivos do Walmart, da Coca-Cola, da Warner e da Tetrapak, entre outras empresas. O público visitante da feira também pode votar nos projetos em diferentes categorias. As três melhores ideias são premiadas pelo Walmart, patrocinador da feira desde a última edição. Os três grupos vencedores terão a oportunidade de apresentar a ideia aos executivos da rede de varejo e firmar parcerias com fornecedores para viabilizar a comercialização dos produtos. 

 

A feira existe desde 1977 e a sustentabilidade chega como uma tendência da FGV em seus cursos. A instituição conta com uma pós-graduação na área. O objetivo é desenvolver o espírito empreendedor dos alunos dentro do conceito Piaget: aprender na prática. A iniciativa acaba se tornando um facilitador para o aluno na sua entrada no mercado de trabalho. Um dos fundadores da M. Officer, por exemplo, começou sua carreira de sucesso lançando, na primeira Feira de Marketing da FGV, a marca de calças jeans Ritchie.

 

 Feira de Marketing da FGV - produtos sustentáveis

Quando: 28 de maio

Onde: Sede FGV, Rua Itapeva, 432, São Paulo

Horário: das 12h às 16h

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.