EUA e UE buscam pacto sobre impostos de produtos verdes

Países pretendem oferecer redução de imposto como incentivo para a China participar de acordo climático

Reuters,

28 Setembro 2009 | 18h57

A União Europeia e os Estados Unidos estão discutindo sobre um pacto com os países da OCDE e com a China para eliminar impostos sobre produtos verdes, como parte dos incentivos para Pequim se juntar ao acordo climático global.

 

Veja também:

linkSem redução de CO2, Terra deve esquentar 4 graus Celsius

linkNão se pode separar economia e ecologia, diz Jeffrey Sachs

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

 

Diplomatas da UE disseram à Reuters que, sob o plano que esta sendo discutido por Bruxelas e Washington, as 30 nações da Organização para Cooperação Económica e Desenvolvimento e a China concordariam com um pacto para reduzir gradativamente as tarifas de importação sobre produtos como turbinas de vento, energias renováveis e tecnologias verdes.

 

Mas o acordo não deverá incluir carros híbridos, disseram os diplomatas.

 

"As conversas estão entrando em um estágio avançado. Bruxelas e Washington esperam que esse possa ser um dos incentivos necessários para a China se juntar às conversas sobre o clima em Copenhagen", disse um diplomata da UE.

 

Um porta-voz dos Estados Unidos disse que o país e a UE estavam introduzindo discussões sobre o corte de tarifas em Doha desde novembro de 2007 e que "continuam trabalhando juntos para chegar a um progresso concreto."

 

A China, potência asiática e maior poluidor do mundo, está sob pressão da Europa e dos Estados Unidos para cortar suas emissões de CO2 como parte das negociações para um acordo que substituirá o protocolo de Kyoto. Em troca, Pequim quer bilhões de dólares em dinheiro como ajuda para aproveitar as novas tecnologias verdes.

 

A Índia e o Brasil também estão sendo cortejados pela UE e pelos Estados Unidos antes da reunião de Copenhague em dezembro, mas acredita-se que não participarão da iniciativa.

 

"O Brasil e a Índia não são vistos como parte do acordo, pois reduzir suas tarifas de importação não os beneficiaria. Eles podem optar por participar, mas isso não é esperado", disse o diplomata.

Mais conteúdo sobre:
aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.