EUA adotam limites de poluição urbana mais severos

A implementação dessas regras custará dezenas de bilhões de dólares e afetará centenas de cidades

Associated Press,

07 Janeiro 2010 | 15h17

A Agência de proteção Ambiental (EPA) dos Estados Unidos propôs padrões sanitários mais estritos para o smog, a mistura de fumaça, fuligem e outros poluentes que se forma em áreas urbanas. Os novos limites substituem os adotados durante o governo de George W. Bush, e que eram criticados por cientistas.

 

Concentração de gases-estufa é a maior já registrada, diz ONU

 

Os novos limites provavelmente farão com que centenas de cidades passem a ser consideradas em violação da norma, o que exigirá que encontrem formas de reduzir a poluição para escapar de punições do governo federal.

 

A implementação dessas regras custará dezenas de bilhões de dólares, mas no fim trará uma economia de bilhões ao reduzir o número de visitas a pronto-socorro, mortes e absenteísmo no trabalho e na escola, afirma a EPA.

 

Os novos limites são os que haviam sido propostos por pesquisadores durante o governo Bush. O então presidente interveio pessoalmente para relaxar o padrão, atendendo a pedidos de setores da indústria.

Mais conteúdo sobre:
poluição smog eua bush

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.