1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Estudo revela que elefantes consolam amigos entristecidos

Monte Morin - Los Angeles Times

19 Fevereiro 2014 | 16h 55

Animais usam a tromba para tocar o animal que está em algum stress nas genitálias ou na boca

Crédito: Elise Gilchrist / Creative Commons

Quando a vida fica difícil, elefantes asiáticos ajudam os amigos a se sentirem melhor ao emitir ruídos de compaixão e usar a tromba para tocar as partes íntimas dos colegas, de acordo com uma nova pesquisa.

No estudo, publicado nesta terça-feira, 18, na revista PeerJ, pesquisadores do comportamento animal observaram 26 elefantes cativos num santuário no norte da Tailândia. Os pesquisadores dizem ter registrado um número de comportamentos entre os elefantes que teriam a finalidade específica de consolar membros da manada em situação de sofrimento.

Entre os comportamentos incluem-se tocar a genitália do elefante afetado com a tromba, colocar a tromba na boca do elefante sofredor ou emitir um agudo “gorjeio”. “Os elefantes usam muito a tromba para tocar uns nos outros. Tocar a genitália é uma maneira que os elefantes usam para identificar os outros e, neste caso, pode ser também uma forma de identificar o estado de ânimo dos outros”, disse Joshua Plotnik, coautor do estudo, professor de Biologia e Conservação da Universidade Mahidol, na Tailândia, e diretor executivo da organização sem fins lucrativos Think Elephants International.

“Creio que, nesse contexto específico, o toque nos genitais, especialmente em combinação com outros toques, serve para confortar o outro elefante”, disse Plotnik. “Também vimos elefantes colocando a tromba na boca um do outro, algo que parece ser uma forma de dizer: ‘estou aqui para ajudar’.”

Comportamentos de consolo são raros no reino animal. Somente humanos, grandes primatas, cães e alguns pássaros são conhecidos por cuidar de seus iguais em situação de sofrimento, dizem os cientistas.

“Os elefantes sofrem quando veem outros de sua espécie sofrendo, buscando acalmá-los, algo semelhante ao abraço que humanos e chimpanzés oferecem àqueles que estão tristes”, disse Frans de Waal, coautor do estudo e professor de Comportamento Primata na Universidade Emery, Atlanta.

Os acontecimentos incômodos que provocaram sofrimento nos paquidermes estudados incluíram a aproximação de cães, serpentes e outros animais que agitavam a grama, ou a presença de um elefante hostil.

“Quando um elefante fica assustado, ele projeta as orelhas, ergue o rabo ou o encolhe, e pode emitir um ruído, rugido ou trombetada grave”, disse Plotnik. “Raramente vimos um elefante pedir socorro sem ser atendido por um amigo ou grupo mais próximo.”

Embora já se soubesse que os elefantes ajudam os demais e demonstram empatia em seu hábitat natural, os autores dizem que, até o momento, tudo isso tinha como base apenas relatos episódicos.

Os elefantes observados no novo estudo tinham entre 3 e 60 anos, e os machos adultos foram excluídos da amostragem. No hábitat natural, os grupos de famílias de elefantes são formados por fêmeas adultas aparentadas e seus filhotes não adultos.

Os elefantes machos adultos deixam o grupo quando atingem a maturidade sexual, passando a vagar sozinhos ou em pequenas manadas de solteiros.

Os pesquisadores observaram os elefantes em intervalos regulares de abril de 2008 a fevereiro de 2009. Plotnik disse esperar que as descobertas do estudo possam ajudar nos esforços de preservação na Ásia, onde os elefantes têm recebido atenção negativa por parte da mídia.

Tradução de Augusto Calil

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo