Estudo aponta que nível dos oceanos pode subir 9 metros

Líder de trabalho publicado pela 'Nature' diz que números de painel de cientistas da ONU são subestimados

16 Dezembro 2009 | 17h57

O jornal inglês The Guardian destacou nesta quarta-feira em seu site um estudo segundo o qual o nível dos oceanos pode subir até 9 metros nos próximos séculos, mesmo que o nível de aquecimento do planeta fique estabilizado em 2 graus em relação ao período anterior à Revolução Industrial, como recomendam cientistas.

A elevação em 9 metros provocaria o desaparecimento de New Orleans, parte do sul da Flórida e de Bangladesh e da maioria do território da Holanda. A estimativa do estudo – liderado pelo pesquisador Robert Kopp, da Universidade de Princeton, e publicado pela revista Nature – supera qualquer outra  porque ele  leva em conta o possível derretimento da cobertura de gelo na Groenlândia e na Antártida.

 

Veja também:

especialGlossário sobre o aquecimento global

especialO mundo mais quente: mudanças geográficas devido ao aquecimento 

 

Em 2007, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações Unidas estimou um aumento de 59 centímetros até 2010 e de 4 a 6 metros nos próximos séculos se o aumento global de temperatura se estabilizar em 2 graus.

“Todo mundo sabe que os números do IPCC são subestimados porque não incluem todos os fatores que podem acelerar o derretimento da cobertura de gelo”, disse Kopp ao Guardian. A  equipe dele usou como modelo nos cálculos o comportamento do nível dos oceanos no último período interglacial, 125 mil anos atrás. “Se os modelos futuros são limitados, você precisa recorrer a dados do passado.”

O trabalho liderado por Kopp tem conclusões semelhantes a de um estudo recente do Comitê Científico de Pesquisa na Antártida, que também sugere que o cálculo  do IPCC  foi tímido. O comitê estimou que o nível dos oceanos pode subir 1,4 metro até 2100 se o derretimento do gelo na Antártida avançar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.