Estados criam rede de estímulo à pesquisa

Organização vai articular empresas a promover transferência de tecnologia e ideias para o setor produtivo

O Estado de S. Paulo,

14 Maio 2009 | 21h00

Os Estados do Pará, Maranhão, Amazonas, Acre e Tocantins lançaram, no início deste mês, a Rede de Pesquisa e Desenvolvimento de Biocosméticos (Redebio), para estimular estudos relacionados a recursos naturais e desenvolvimento de produtos biocosméticos e fitoterápicos.

 

Veja também:

link Um 'novo PIB' em gestação

link Poucos adotam 'selo verde' no País

link USP cria centro para reciclar eletrônicos

link Consumo x ambiente

 

 

A organização vai articular empresas e comunidades para promover transferência de tecnologia e ideias para o setor produtivo. A etapa inicial do projeto, nos primeiros dois anos, vai contar com investimentos da ordem de R$ 7,2 milhões. O dinheiro será destinado a pesquisas sobre a aplicação industrial da castanha do Pará, do babaçu, da andiroba e da copaíba. Exemplos de espécies agrícolas cultivadas, geralmente, por comunidades tradicionais.

 

O projeto envolve as Fundações de Amparo à Pesquisa do Pará, Amazonas e Maranhão, além da Secretaria de Ciência e Tecnologia do Tocantins e da Fundação de Tecnologia do Acre. Cada ação deverá envolver, pelo menos, três Estados.

Mais conteúdo sobre:
sustentabilidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.