Empresas pedem a Governos metas 'ambiciosas' contra mudança climática

Cúpula Global sobre Negócios e Meio Ambiente (B4E) realizada no México pediu a redução das emisões de CO2

Efe,

06 Outubro 2010 | 11h18

MÉXICO - Representantes do setor privado de 25 países concluíram nesta terça-feira no México uma cúpula empresarial sobre mudança climática com um apelo aos Governos para que estabeleçam metas "ambiciosas, claras e mensuráveis" de redução de emissões para 2020.

 

"A mudança climática é o maior desafio econômico, ambiental e de desenvolvimento de nosso tempo", advertiram os empresários em uma declaração elaborada a menos de dois meses da 16ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP16) em Cancún, no Caribe mexicano.

 

A mensagem final da Cúpula Global sobre Negócios e Meio Ambiente (B4E) assinala que os cortes de emissões de dióxido de carbono (CO2) e de outros gases do efeito estufa devem ser feitos de acordo com os critérios científicos.

 

Segundo a declaração, é necessário criar "mercados para soluções de baixas emissões em carbono" que permitam manter um crescimento econômico sustentável e a qualidade de vida nos países.

 

Também assinalam que é necessária "uma redução de 50% das emissões em 2050" em relação aos níveis de 1990.

 

Os empresários constatam que a criação de "economias baixas em carbono é um imperativo social" e estabelecem compromissos em cinco setores: energético, informação e telecomunicações, construção, agricultura e alimentação e transportes.

 

Em energia, as companhias acreditam na possibilidade de se ter 100% de energia renovável no planeta até 2050.

 

"Esta é uma declaração muito importante porque este é o coração do problema: como eliminamos os combustíveis fósseis. Dizem que podemos fazê-lo com as tecnologias que já existem", expressou o diretor-geral do Fundo Mundial para a Natureza, James Leape, na entrevista coletiva final.

 

A reunião realizada no México serviu para levar a voz das empresas à próxima cúpula de mudança climática, enviando a mensagem de que as empresas podem ser parte da solução ao desafio do aquecimento global.

 

Entre as empresas presentes estavam: Acciona, Alstom, British Telecom, Walmart, Tata, Bimbo, Hewlett Packard, AP Moeller Maersk, Coca-Cola, Siemens, Nestlé, Calera, Cemex, Deloitte, McKinsey e Tria Solar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.