Empresa resposável por vazamento de pesticida é interditada

A Servatis, de Resende, sul fluminense, derramou 1.500 litros do pesticida Endosulfan no rio Pirapetinga

Talita Figueiredo, de O Estado de S. Paulo,

21 Novembro 2008 | 19h35

A Secretaria Estadual do Meio Ambiente interditou nesta sexta-feira, 21, a empresa Servatis (em Resende, sul fluminense), responsável pelo vazamento de pelo menos 1.500 litros do pesticida Endosulfan no rio Pirapetinga, afluente do Paraíba do Sul, que contaminou o rio e provocou mortandade de peixes, na segunda-feira, 17. A multa aplicada pela secretaria pode passar dos R$ 10 milhões.   Equipes da secretaria, da Serla (Secretaria de Rios e Lagoas), Feema e DPMA (Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente) vistoriaram ontem o trecho do rio entre os municípios de Volta Redonda e Resende, coletaram amostras de água do Paraíba do Sul e constataram que o curso d'água está nos níveis aceitáveis para abastecimento, não oferecendo qualquer risco à saúde da população. A Servatis também foi vistoriada e irregularidades foram constatadas.   "O armazenamento de resíduos do pesticida Endosulfan está totalmente inadequado, representando risco iminente de vazamento para o meio ambiente. A empresa também responderá por omissão, uma vez que os proprietários não comunicaram o vazamento, em tempo ágil, às autoridades ambientais", disse a secretária do Ambiente, Marilene Ramos. Os diretores da empresa serão ouvidos semana que vem na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente e podem ser indiciados por crime ambiental. Até a noite desta sexta-feira, 21, o Estado não conseguiu encontrar os proprietários da empresa para falar sobre o acidente.

Mais conteúdo sobre:
poluição meio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.