1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Em Belém, 47 espécies de aves podem ter sido extintas

Giovana Girardi - O Estado de S. Paulo

05 Junho 2014 | 21h 11

Gavião-real e arara-azul-grande desapareceram

Em apenas 200 anos, 47 espécies de aves da Região Metropolitana de Belém, no Pará, podem ter sido extintas localmente. É o que mostra o mais recente levantamento em torno do impacto da perda de vegetação sobre a avifauna amazônica. O trabalho, publicado na revista Conservation Biology, avalia a perda regional, mas a história que conta reflete o drama da chegada do desenvolvimento à floresta.

Os pesquisadores ligados a mais de 20 instituições, entre elas Museu Paraense Emílio Goeldi, Embrapa, Universidade de Lancaster e Instituto Ambiental de Estocolmo, se valeram de identificações feitas pelos primeiros naturalistas, que chegaram a Belém no começo dos anos 1800 e do último levantamento das aves da região, de 1970.

ALEXANDER LEES/DIVULGAÇÃO
Ararajuba (Guarouba guarouba) é uma das 47 espécies de aves que viviam na região metropolitana de Belém e foram extintas nos últimos 200 anos. O levantamento foi feito pela Rede Amazônia Sustentável.

Depois eles começaram a avaliar os registros de visualização daquelas aves depois disso e observaram que cerca de 14% das 329 de terra firme (que não são aquáticas nem migratórias) não são vistas desde 1980.

Entre elas está a maior espécie de ave brasileira, o gavião-real (Harpia harpyja), e a arara-azul-grande (Anodorhynchus hyacinthinus). Ambas, de acordo com o estudo, devem ter sumido antes mesmo de 1900.

Segundo Nárgila Moura, do Goeldi, a construção de estradas, primeiramente a Real para ligar Belém a São Luís, e depois a rodovia para Bragança, foram os principais motores da perda de hábitat. No caso do gavião e da arara, ela destaca que a caça e o tráfico de animais foram fundamentais para o desaparecimento local das espécies.

O trabalho está sendo usado para alertar as autoridades para a preservação e recuperação de florestas no entorno da cidade. Nárgila explica que as aves ainda existem em um raio de até 300 km de Belém. “Temos muitos parques urbanos e florestas, mas estão ou degradados ou são de mata secundária. Se forem recuperados, as aves podem voltar a colonizar.” 

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo