Cúpula de Abu Dhabi reforça necessidade de energia limpa

Três mil delegados de 89 países discutirão questões ligadas às tecnologias de energia renovável

Efe

18 Janeiro 2010 | 20h02

Os líderes mundiais emitiram nesta segunda-feira um apelo à comunidade internacional para unir esforços para obter energia limpa, o que permitirá a sobrevivência do planeta. "A energia deve ser um meio de cooperação e não de competição", disse o primeiro-ministro turco Recep Tayyip Erdogan, em um dos discursos de abertura da Cúpula do Terceiro Mundo sobre a Energia do Futuro, realizada em Abu Dhabi. 

 

Os três mil delegados dos 89 países presentes na conferência até quinta-feira discutirão questões ligadas às tecnologias de energia renovável e outras questões relacionadas ao setor. 

 

No início da conferência, os participantes sublinharam a importância de buscar medidas eficazes para combater as alterações climáticas através do uso de energia limpa. A cúpula, que começou com um minuto de silêncio em memória das vítimas do terremoto no Haiti, foi aberta, entre outros, pelo Príncipe das Astúrias, Don Felipe de Borbón, o príncipe herdeiro Frederik da Dinamarca, os presidentes da Grécia, Karolos Papoulias, e das Maldivas, Mohamed Nasheed, e o primeiro-ministro da Malásia, Mohd Najib Tun Abdul Razak, além do ministro turco.

 

Papoulias pediu o aumento da segurança energética e o combate à desigualdade. Destacou também que o uso de energias renováveis, como um substituto para o petróleo, "vai desempenhar um papel social importante", porque isto ajudará a converter a energia a uma distribuição mais democrática e igualitária. 

 

"A energia renovável dará um maior papel para os pequenos países e as empresas de médio porte que estão atrás na concorrência na economia europeia", disse o presidente grego. Para Papoulias, a energia limpa é a única solução para o declínio dos recursos energéticos tradicionais. 

 

De sua parte, o presidente das Maldivas chamou os presentes para um "movimento imediato" para enfrentar as consequências negativas das mudanças climáticas, entre as quais citou o desaparecimento de corais e subida do nível da água dos mares. 

 

Nasheed criticou as conclusões da última cúpula do clima em Copenhague, que considerou "limitada e insatisfatória". "Hoje o mundo não tem as tecnologias necessárias para combater as mudanças climáticas", lamentou Nasheed, acrescentando que "o dinheiro inteligente é dinheiro verde", que é investido em energias limpas. 

 

Erdogan defendeu a mesma posição. "Agora é a responsabilidade dos dirigentes para criar um mundo que gerações futuras possam viver", disse o ministro turco. Neste sentido, apelou a todos os países para reduzir as emissões de gases poluentes. 

 

Erdogan falou da Turquia como um exemplo de país que conseguiu que as energias renováveis constituam 20% da energia total consumida. A Turquia tenta, neste momento, aumentar esta taxa para 40%, meta que pretende atingir até 2023, segundo Erdogan. 

 

Enquanto isso, o primeiro-ministro malaio insistiu em que a comunidade internacional "deve fazer mais do que está fazendo agora para garantir a segurança do planeta." Razak também criticou a cúpula de Copenhague por não ter as oportunidades disponíveis para investir os diferentes recursos da Terra. Ele também alertou que, se os governos dos países não alterarem as suas políticas energéticas, aumentará a dependência crescente de recursos energéticos tradicionais e as suas consequências negativas para a Terra. 

 

A conferência está sendo realizada junto com as atividades incluídas na "Semana da Energia do Futuro", que começou no sábado passado em Abu Dhabi, com o apoio do grupo Masdar, dos Emirados Árabes Unidos. 

 

Entre as atividades, está prevista a entrega, o dia 19, do Prêmio Zayed de Energia para o Futuro, no valor de US$ 2,2 milhões, oferecidos a três instituições que tenham colaborado no desenvolvimento de tecnologias inovadoras no campo das energias renováveis.

 

Além disso, espera-se que a delegação suíça, composta por representantes de 16 empresas, apresente o primeiro avião que funciona com energia solar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.