CSN leva multa de R$ 11 mi por ignorar TAC

Empresa se comprometeu a investir em compensações ambientais após vazamento de óleo

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2012 | 02h08

RIO - A Companhia Siderúrgica Nacional foi multada em R$ 11,5 milhões por atraso no cumprimento de itens de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado com a Secretaria do Estado do Ambiente (SEA) do Rio de Janeiro. O documento foi assinado em 2010, depois de vazamento de material oleoso no Rio Paraíba do Sul. A empresa havia se comprometido a investir em compensações ambientais na área da usina Presidente Vargas, em Volta Redonda, no sul fluminense.

De acordo com o secretário Carlos Minc, a empresa foi multada por não ter cumprido 17 dos 114 itens acordados. Um deles era a limpeza do lençol freático nas proximidades do rio. A siderúrgica justificou o motivo de ter atrasado outros seis pontos listados no documento e os argumentos foram aceitos pela secretaria. A empresa tem dez dias para pagar a multa.

A assessoria de imprensa da CSN informou que a siderúrgica não vai se pronunciar sobre a multa.

Mais conteúdo sobre:
CSN vazamento de óleo meio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.