Criação de portal ajuda extrativistas da Amazônia

Portal funcionará como uma espécie de bolsa de mercadorias online

O Estado de S. Paulo

07 Julho 2011 | 09h23

Um portal na internet para compra e venda de produtos florestais comunitários, que beneficiará extrativistas da Amazônia, está em desenvolvimento pelos departamentos de Engenharia da Computação e Sistemas Digitais da Escola Politécnica (Poli) e de Ciências Florestais da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), ambas da Universidade de São Paulo.

O projeto-piloto deve começar a ser testado em dois municípios do Amazonas, Manacapur e São Sebastião Uatumã, às margens do Rio Negro.

O portal funcionará como uma espécie de bolsa de mercadorias online, na qual produtores e compradores poderão verificar o preço médio dos produtos florestais e realizar negócios.

O objetivo é eliminar os atravessadores, que hoje ficam com a maior parte da renda do comércio de produtos como móveis e utensílios de madeira, óleo de copaíba, castanha do Brasil e açaí.

O professor Pedro Luiz Pizzigatti Corrêa, da Poli, que coordena o projeto, afirma que a intenção também é incluir as comunidades extrativistas num mercado mais amplo, torná-las autônomas na gestão dos negócios e aumentar a geração de renda e postos de trabalho. / AFRA BALAZINA, ANDREA VIALLI e REJANE LIMA, com AGÊNCIAS

 

Mais conteúdo sobre:
Versão Impressa Planeta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.