Crescimento chinês com combustível fóssil é insustentável

Pesquisadores afirmam que o aquecimento global será um desafio maior para a China que para outros países

Associated Press,

16 Setembro 2009 | 15h29

Se a economia da China continuar a expandir-se rapidamente e a depender de carvão e outros combustíveis fósseis até meados deste século, seu consumo de energia será insustentável, diz um estudo realizado por instituições de pesquisa.

 

Veja também:

linkAquecimento pode reduzir PIB de países em até 20%, diz estudo

link Derretimento no Ártico pode afetar 25% da população mundial

link Mundo deve estar pronto para crise climática, diz Reino Unido

link Mudança no clima custará US$ 400 bi anuais, diz estudo

especialExpansão econômica vs. sustentabilidade

especialMapa da emissão de carbono

 

O trabalho de dois anos, realizado com o apoio do grupo americano Energy Foundation e da organização ambientalista WWF, também afirma que se a estrutura de uso de energia da China não mudar, suas emissões de gases causadores do efeito estufa chegaria a 17 bilhões de toneladas ao ano até 2050. Isso seria 60% das emissões globais totais e o triplo da produção chinesa atual.

 

"Se o modo atual de desenvolvimento econômico perdurar, o consumo chinês de combustíveis fósseis será chocante", disse o estudo, intitulado Caminhos de Desenvolvimento de Baixo Carbono da China para 2050.

 

Os pesquisadores afirmam que o aquecimento global será um desafio maior para a China que para muitos outros países, com suas cidades desenvolvidas da Costa Oeste lutando contra a elevação do nível dos mares, e as áreas rurais sofrendo com escassez de água.

 

Embora o estudo não reflita formalmente a opinião do governo chinês, ele foi executado por um grupo de destacados especialistas que pertencem a instituições governamentais. E se segue a comentários do primeiro-ministro Wen Jiabao, que disse que o governo acelerará um afastamento dos combustíveis fósseis.

 

Líderes internacionais esperam chegar a um acordo nas Nações Unidas sobre a mudança climática em Copenhague, em dezembro. A China vem evitando se comprometer com metas de cortes de emissão de CO2, dizendo que os países ricos têm uma responsabilidade histórica e precisam arcar com ela.

 

Usando dados sobre as tendências de consumo do consumo de energia de 2002 a 2008, o estudo diz que o consumo de energia da China poderá exceder 100 bilhões de toneladas de carvão em 2050, mais do que o planeta é capaz de sustentar e muito mais que os 16,1 bilhões de toneladas que o planeta todo consumiu em 2008.

Mas o relatório diz que com o investimento maciço em tecnologias de baixa emissão de carbono e o uso de energia renovável e nuclear em larga escala, as emissões chinesas poderão retornar ao nível de 2005 até 2050.

 

As projeções baseiam-se na pressuposição de que a economia chinesa crescerá a uma taxa anula de 8,8% de 2005 a 2020, e então a 6% de 2020 a 2035 e de 4,4% de 2035 a 2050.

Mais conteúdo sobre:
china efeito estufa co2 aquecimento global

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.