Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Contra gases estufa, Greenpeace lança carro 'da idade da pedra'

Campanha 'O Carro que eu quero' cobra das montadoras que vendem no País investimentos em tecnologia que para reduzir poluentes, como acontece na Europa

Laura Maia de Castro, O Estado de S. Paulo

15 Abril 2014 | 12h26

SÃO PAULO - O Greenpeace realizou um ato na manhã desta terça-feira, 15, para lançar uma nova campanha direcionada à indústria automobilística contra a emissão de gases estufa. A organização fez o "lançamento" de um carro da Idade da Pedra em alusão à falta de investimentos em tecnologias mais modernas para que os carros consumam menos combustíveis no Brasil.

A ação aconteceu na estação Vila Olímpia da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), zona sul da cidade. Ativistas vestidos de homens das cavernas convidavam os pedestres a fazer um test drive no "veículo" ao lado de uma tenda com o nome de três das montadoras que mais vendem carros no País: Volkswagen, Fiat e Chevrolet.

Na semana passada, uma pesquisa do Centro de Estudos Integrados sobre Meio Ambiente e Mudanças Climáticas (Centro Clima) da Coppe/UFRJ, encomendada pelo Greenpeace mostrou que, se o Brasil adotasse as mesmas metas de eficiência energética impostas à indústria de veículos na Europa, as emissões de gás carbônico poderiam ser 10% menor do que eram em 2010, mesmo que o País tivesse o dobro de carros do que tem hoje.

O estudo fez uma estimativa de qual será a emissão da frota nacional de veículos leves dentro dos padrões de eficiência energética estipulados pela legislação brasileira e levando em conta as premissas do Programa de Incentivo à Inovação Tecnológica e Adensamento da Cadeia Produtiva de Veículos Automotores (Inovar-Auto), que dá incentivos fiscais para montadoras que melhorarem a eficiência energética de seus veículos até 2017. 

Depois, comparou esse cenário ao de uma realidade alternativa, que seria a adoção das metas de eficiência energética determinadas pela atual legislação europeia, que exige melhorias significativa nos padrões de emissão dos carros produzidos nos seus países membros até 2021.

Como resultado a pesquisa mostra que, com as metas europeias, mesmo que o Brasil dobrasse o tamanho da sua frota atual de veículos, as emissões de gases do efeito estufa (medidas em milhões de toneladas de CO2 equivalente) oriundas dessa frota em 2030 seriam menores do que eram em 2010.

Os cálculos referem-se apenas à frota de veículos leves, que era de 24 milhões de carros em 2010 e deverá chegar a 52 milhões, em 2030.

Campanha. Por meio do site do Greenpeace, o internauta é convidado a 'assinar' um pedido online para que as montadoras invistam em tecnologia para carros elétricos e para a redução de emissão de gases.

Mais conteúdo sobre:
Greenpeace efeito estuda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.