Consumidores americanos são os maiores emissores de CO2

Ajustando a emissão para atribuí-la ao local onde são consumidos os bens que geram o CO2, EUA disparam

Reuters,

22 Julho 2009 | 16h14

Os Estados Unidos são de longe o maior emissor de gases causadores do efeito estufa, à frente da China, se os consumidores dos países ricos forem responsabilizados pelo carbono emitido na produção dos bens que adquirem, disse um pesquisador nesta quarta-feira, 22.

 

Veja também:

especial Entenda as negociações do novo acordo sobre mudança climática

especialEspecial: Quiz: você tem uma vida sustentável? 

especialEspecial: Evolução das emissões de carbono  

especialEspecial: As ações diárias que salvam o planeta 

especial Expansão econômica vs. sustentabilidade

 

Os gases causadores do efeito estufa geralmente são contabilizados para os países onde ocorre a emissão. Esses dados indicam que a China superou os EUA como maior poluidor.

 

Mas ajustando as emissões para atribuí-las ao país onde são consumidos os bens gerados por elas faz com que a conta dos países ricos cresça, diz o pesquisador do Centro para Pesquisa Climática e Ambiental de Oslo (Cicero), Glen Peters. 

  

"O ranking faz muitos países ricos parecerem pior e muitos países pobres, melhor", disse ele.

 

No ranking de 73 nações, os americanos têm a maior "pegada de carbono" anual, equivalente a 29 toneladas de carbono per capita, à frente  de australianos (21 toneladas) e canadenses (20 toneladas).

Cada cidadão chinês conta, na avaliação baseada em dados de 2001, com meras 3,1 toneladas.

 

Ajustando-se a proporção para evitar distorções causadas pela enorme população chinesa, o resultado é 7,9 bilhões de toneladas em emissões americanas e 3,9 bilhões de emissões chinesas.

 

Países em desenvolvimento já indicaram que os países ricos deveriam responsabilizar-se mais pelas emissões geradas na produção de produtos para exportação. Um novo tratado da ONU sobre mudança climática  deverá ser firmado em Copenhague, em dezembro.

 

O estudo de Peters determinou que os consumidores de cada país tendem a ter uma pegada de carbono cada vez maior à medida que enriquecem, uma descoberta desanimadora para governos que tentam manter o compromisso com o corte de emissões e com o crescimento econômico.

 

"Uma vez que você tenha comprado comida e pago pela sua casa, o que você faz com o dinheiro que sobra é consumo de luxo", disse Peters. "Quanto mais dinheiro você ganha, mais emissões você tem".

Ele sugere que os governos tentem canalizar o consumo para atividades mais baseadas em serviços, como teatro ou restaurantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.