Confira três receitas para aproveitar alimentos ao máximo e evitar desperdício

Em vídeo, culinarista Pat Feldman ensina a preparar chá, caldo, 'farinha de osso' com sobras e a preparar ingredientes para novas receitas

O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2017 | 17h35

Cascas de ovo, pernas de galinha, ossos, folhas de alho-poró e uma miríade de restos de alimento com valor nutritivo podem ser aproveitadas à exaustão por receitas simples e práticas. Em vez de ir para o lixo, esses rejeitos se tornam caldos, chás, alimento para as plantas, ração para animais e reforço para vitaminas.

Em entrevista ao Estado, a culinarista Pat Feldman mostrou como evitar o desperdício na cozinha. “A gente joga fora muita coisa que pode ser aproveitada”, diz Pat. “Sobra osso, pele, e isso tudo tem nutriente, a gente não pode desperdiçar”, diz

Confira três receitas para evitar o desperdício de alimentos:

"Farinha de osso"

Após quebrar os ovos e utilizá-los normalmente na receita, reserve as cascas. Lave em água corrente e reserve novamente em local seco e longe da exposição direta ao sol. Quem preferir também pode secar os ovos no forno. O processo de lavagem e secagem é necessário para retirar possíveis bactérias na casca.

“Dizem as vovós que não pode deixar no sol, porque perde nutrientes”, conta Pat. “Eu não tenho comprovação científica disso mas, na dúvida, a gente acredita”, completa.

Com um liquidificador ou processador, triture a casca de ovo seca. Rico em minerais, o pó pode ser usado como adubo para nutrir as plantas, para alimentar animais domésticos, ou como ingrediente de vitaminas com frutas e iogurte, por exemplo. A recomendação é acrescentar uma colher de chá do pó na vitamina. Segundo a culinarista, o processo de trituração também serve para afiar as lâminas do liquidificador ou triturador.

Em sua casa, Pat reserva os ovos utilizados ao longo de uma semana para produzir a chamada 'farinha de osso', também vendida em lojas de jardinagem. “Para quê comprar se a gente come ovo em casa? Em vez de jogar no lixo, aproveita”, sugere.

Chá de morango

As folhas e talos de morango costumam ser descartadas na preparação de sobremesas, mas podem render um bom chá.

Após lavar e cortar os morangos, basta reservar a parte superior de cada fruta, jogá-las em uma panela com água e ferver. Um galho de canela também pode ser utilizado para perfumar ainda mais a receita. Para adoçar, a sugestão é mel.

“Não tem uma medida exata”, explica Pat. "Quando menos água utilizar, mais concentrado ficará o sabor." 

O processo pode ser aplicado a várias frutas diferentes. Casca e miolo de maçã, pêssego e pêra, por exemplo, também podem render chás. As cascas de abacaxi podem ser trituradas junto com o suco e coadas.

Caldo de galinha

Ossos de frango assado e restos de legumes, que normalmente são descartados, servem como o principal insumo do caldo de galinha natural, que substitui o tempero pronto comprado em supermercados.

Os ossos podem ser usados após o frango ter sido consumido em outra receita. Ou o frango pode ser cozido inteiro na panela, junto ao caldo, após passar pelo forno para dourar. Pés de galinha e miúdos também podem ser aproveitados no caldo.

Restos de legumes como cascas de cebolas, talos de cenoura e folhas de alho-poró utilizados em receitas do dia a dia, por exemplo, podem ser armazenados em sacos plásticos dentro de um congelador, até o momento de irem à panela.

Acrescente quatro cebolas inteiras, cortadas em quatro pedaços (com a casca), quatro cenouras inteiras e ervas a gosto. Todos os ingredientes vão para uma grande panela com água e são cozinhados a fogo baixo por ao menos duas horas. “O caldo aceita praticamente tudo”, diz Pat.

Após o caldo ficar pronto, os ingredientes podem ser utilizados para outras receitas: a carne do frango inteiro cozido pode ser usada em ensopados, salpicão, recheio de torta ou pastel, entre outros; os legumes podem ser triturados para virarem sopa. O caldo pode ser congelado em potes de vidro para ser usado aos poucos.

Mais conteúdo sobre:
Culinária Alimentação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.