Conferência defende inclusão da água em acordo climático

Um acordo climático mundial "forte e justo" será "crucial" para garantir a acessibilidade à água no futuro

EFE,

21 Agosto 2009 | 16h02

A Semana Mundial da Água encerrou suas sessões plenárias, em Estocolmo, com uma declaração na qual se pede para destacar o papel fundamental deste bem natural no novo acordo climático mundial que será negociado em dezembro, em Copenhague.

 

link Europa desvenda primeira grande fraude com crédito de CO2

 especialComo e por que economizar água

 link É preciso conservar água para evitar escassez, diz especialista

 link Reserva de água do norte Índia está se esgotando, diz estudo

 

O acordo deve incluir o papel da água como "elemento-chave" para medir os efeitos da mudança climática, segundo a declaração, que indica que as medidas de adaptação são um "requisito prévio" para o desenvolvimento sustentável e a redução da pobreza.

 

Os mais de 2 mil especialistas, líderes políticos, empresariais e representantes da sociedade civil de 130 países reunidos em Estocolmo desde segunda-feira passada defenderam também a inclusão da água junto com a preservação das florestas e das terras como chaves para uma adaptação efetiva à mudança do clima.

 

A proteção dos ecossistemas e o desenvolvimento sustentável são fundamentais na adaptação e no desenvolvimento humano, assim como a informação de alta qualidade, indica a Declaração de Estocolmo.

 

Um acordo climático mundial "forte e justo" será "crucial" para garantir a acessibilidade aos recursos da água no futuro, por isso as negociações de Copenhague são de grande interesse para a comunidade internacional.

 

A declaração destaca os esforços "substanciais" realizados nos últimos meses durante as negociações prévias a Copenhague e no Fórum Mundial da Água, realizado em Istambul.

 

A Semana Mundial de Água, com o lema Respondendo às Mudanças Globais: o Acesso à Água pelo Bem Comum, esteve centrada na água e na mudança climática.

 

A conferência, organizada pelo Instituto Internacional da Água de Estocolmo (SIWI, em inglês), incluiu também a entrega de vários prêmios. O mais importante foi o Prêmio Estocolmo da Água, que este ano foi concedido ao indiano Bindeshwar Pathak, fundador em seu país do Movimento de Saneamento Sulabh.

Mais conteúdo sobre:
clima acordo climático carbono co2 copenhague

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.