AFP PHOTO / TIMOTHY A. CLARY
AFP PHOTO / TIMOTHY A. CLARY

Com mais recursos, Brasil pode atingir metas do clima mais rapidamente, diz Dilma

Segundo a presidente, compromissos lançados hoje serão alcançados com recursos próprios, mas podem ser atingidos antes do prazo ou serem mais ambiciosos com financiamento externo

Altamiro Silva Junior e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

27 Setembro 2015 | 15h19

NOVA YORK - A presidente Dilma Rousseff afirmou em Nova York que o Brasil pode atingir as metas climáticas mais rapidamente ou mesmo aumentá-las caso o País consiga acesso a mais recursos. Dilma deu uma entrevista neste domingo, 27, após anunciar os objetivos de redução da emissão dos gases que causam efeito estufa, a plenária das Nações Unidas.

"Estamos fazendo as nossas metas com nossos recursos. Se tivermos mais recursos, ou faremos as metas mais rápido ou podemos aumentá-las", disse Dilma aos jornalistas. A presidente classificou as metas anunciadas neste domingo de "ousadas" e "ambiciosas" e afirmou que o Brasil é um dos únicos países em desenvolvimento a assumir uma meta absoluta de redução de emissões. "Estamos propondo metas que dificilmente serão atingidas em termos absolutos mesmo pelos países desenvolvidos. Se forem, melhor."

"Tudo isso significa a contribuição do Brasil para que não haja um aumento da temperatura para além de 2 graus Celsius neste século", afirmou, ressaltando que as metas que o Brasil anunciou neste domingo "preservam" o crescimento econômico. Em discurso na plenária da ONU, Dilma anunciou que o Brasil se compromete a reduzir em 37% a emissão de gases que causam o efeito estufa até 2025 e 43% até 2030. 

Dilma afirmou que o objetivo de acabar com o desmatamento ilegal até 2030 pode ser antecipado. Questionada sobre como o governo pretende atingir esse objetivo, a presidente afirmou que por meio da prevenção e também pela repressão. "Você piscou o olho o desmatamento volta", disse Dilma, falando da necessidade de o governo ser vigilante para coibir esse tipo de atividade, inclusive com o uso das Forças Armadas. O governo tem como objetivo dar incentivos para que as famílias que vivem nessas regiões possam sobreviver sem o desmatamento ilegal.

Dilma afirmou que o setor de energia é onde é mais desafiador reduzir as emissões. Ela afirmou que o Brasil vai assegurar participação de 45% de energias renováveis na matriz energética do país até 2030, enquanto a média global é de 13%. Além disso, o país quer assegurar fatia de 32% de renováveis, como solar, eólica e biomassa, na matriz. 

Perguntada sobre os custos para se alcançar as metas de redução de emissão, Dilma disse que o cálculo é "extremamente complexo". "Se alguém te der esse cálculo, me diga, que eu ficarei muito feliz, isso é extremamente complexo."

Mais conteúdo sobre:
Mudanças climáticas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.