Cientistas encontram espécie rara de pantera na ilha de Bornéu

As imagens de dois machos adultos serviram aos cientistas para determinar a presença de uma nova população

Efe

21 Agosto 2008 | 15h29

Câmeras de vídeo registraram pela primeira vez a presença de uma rara espécie de felino, a pantera das brumas de Bornéu (Neofelis diardi), em um parque nacional da parte indonésia da ilha (norte do país), informou nesta quinta-feira, 21, a imprensa local.   As imagens de dois machos adultos serviram aos cientistas para determinar a presença de uma nova população, até agora desconhecida, destas panteras em uma área do parque nacional de Sebangau, antes ameaçada pelo desmatamento ilegal.   Os pesquisadores da unidade de investigação para a conservação da natureza da Universidade de Oxford, que realizaram o estudo, afirmaram que as imagens fornecem um pouco mais de informação sobre o comportamento e costumes da pantera.   Os especialistas esperam poder aumentar a pouca informação que têm sobre esta espécie no futuro, e por enquanto consideram que sua presença é um bom indicador da riqueza na região, já que estes felinos precisam de outros animais para sobreviver.   "A pantera-nebulosa de Bornéu é o maior predador da ilha, e se o maior predador sobrevive em uma antiga área de desmatamento, isso significa que o resto das espécies está se recuperando", disse a zoóloga britânica Susan Cheyne.   Este felino, classificado de espécie própria em 2006 após análises de DNA da qual quase não se têm dados, é próprio das ilhas indonésias de Bornéu e Sumatra, e das ilhas Batu, na Malásia.   Hoje em dia, a espécie figura como vulnerável na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Mundial para a Natureza (IUCN), e se calcula que a população dos felinos beire os 10 mil.   A Indonésia é um dos países com maior biodiversidade terrestre e marinha do mundo, mas seu meio ambiente está gravemente ameaçado pelo desenvolvimento econômico e demográfico incontrolados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.