Cientistas desafiam pesquisas japonesas com baleias mortas

A pesquisa usará técnicas não letais para estudar a ecologia das baleias e seu impacto no ecossistema

Associated Press,

01 Fevereiro 2010 | 15h19

Uma equipe internacional de cientistas está a caminho da Antártida para estudar baleias, numa tentativa de mostrar que a matança anual de baleias pelo Japão, feita sob a alegação de que isso é necessário para fins científicos, não se justifica.

 

Ambientalistas perseguem baleeiro japonês em helicóptero

 

O navio que transporta os pesquisadores envolvidos no projeto deve partir da Nova Zelândia na terça-feira, 2, disse a porta-voz Patti Lucas.

 

Cerca de 18 cientistas, da Austrália, França e Nova Zelândia estão tomando parte na viagem inicial de seis semanas para estudar as baleias, seus hábitos alimentares e sua interação com o meio ambiente.

A pesquisa usará técnicas não letais para estudar a ecologia das baleias e seu impacto no ecossistema do continente gelado, disse o cientista-chefe interino da Divisão Antártica Australiana, Steve Nicol.

 

O Japão atualmente mantém uma frota de seis baleeiros em águas antárticas, como parte de um programa de caça científica, permitido pela Comissão Baleeira Internacional.

 

Críticos, incluindo os governos australiano e neozelandês, dizem que o programa do Japão é apenas uma fachada para a caça comercial, proibida por acordo internacional.

 

Em anos recentes, as águas da Antártida têm sido palco de confrontos, às vezes perigosos, entre baleeiros japoneses e navios de grupos ambientalistas.

Mais conteúdo sobre:
baleias baleeiros caça à baleia japão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.