Reprodução
Reprodução

Campanha em supermercados incentivará substituição de sacolas plásticas

Estabelecimentos têm seis meses para colocar acordo em prática e encontrar alternativas viáveis

Marcela Gonsalves, da Central de Notícias, estadão.com.br e Agência Brasil,

09 Maio 2011 | 16h18

São Paulo, 9 - Foi assinado nesta segunda-feira, 9, um convênio entre a Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo (SMA) e a Associação Paulista de Supermercados (APAS), com o objetivo de reduzir o uso de sacolas plásticas nesses estabelecimentos. O documento prevê a realização de uma campanha educativa para incentivar a substituição das sacolas derivadas de petróleo entre os supermercados associados à APAS.

A partir desta segunda-feira, os estabelecimentos têm seis meses para colocar em prática o acordo e encontrar alternativas viáveis para o transporte de mercadorias.

No último dia 21, a Secretaria do Meio Ambiente formalizou a criação de um Grupo de Trabalho para estudar a viabilidade da extinção do uso das sacolinhas nos supermercados paulistas. A Resolução SMA-15 foi publicada no Diário Oficial do Estado.

Pelo Brasil

Cuiabá e Rio de Janeiro são capitais que já aprovaram leis para a substituição das sacolas plásticas no comércio. Cidades do interior de São Paulo, como Jundiaí, Sorocaba, Itu e Monte Mor, também saíram na frente da capital paulista. Em Belo Horizonte, a lei entrou em vigor no dia 18 de abril e prevê multa de R$ 1 mil para quem desrespeitar a regra, valor que dobra no caso de reincidência.

Mas para não ficar a espera de leis municipais, o Ministério do Meio Ambiente lançou uma campanha em 2009 chamada "Saco é um Saco". No início deste ano, foi divulgado um balanço que mostrava que em um ano e meio de campanha, cerca de 5 bilhões de sacolas plásticas deixaram de ser usadas. O número superou as expectativas, que previa evitar a utilização de 1,5 bilhão de unidades.

O balanço é baseado em estimativas das redes de supermercado Walmart, Pão de Açúcar e Carrefour e do Programa de Qualidade e Consumo Responsável de Sacolas Plásticas, da indústria do plástico, além de informações de cidades que decidiram proibir o uso das sacolas.

A nova meta agora é reduzir o consumo das sacolas em todo o País em 40% até 2014, mas alguns supermercados estabeleceram metas próprias. O Walmart , por exemplo, que atualmente oferece descontos ao cliente que usa embalagens retornáveis, quer reduzir a utilização de sacolinhas em 50% até 2013. Já o grupo Carrefour espera chegar em 2014 sem oferecer nenhuma sacola plástica em suas lojas.

Veja também:

link Cuiabá também aprova substituição de sacolas plásticas no comércio

link Começa a valer lei que proíbe uso de sacolas plásticas em BH

link Sacola plástica é o tipo mais sustentável, diz estudo

Mais conteúdo sobre:
sacola plástica meio ambiente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.